Secretário de Educação conversa com pais de alunos sobre rendimento escolar

O secretário disse que os avanços são reflexos da parceria dos pais com a escola (Foto: Mágila Campos)
O secretário disse que os avanços são reflexos da parceria dos pais com a escola (Foto: Mágila Campos)

A Escola Estadual Raimundo Borges é uma instituição de ensino fundamental localizada na regional do São Francisco, em Rio Branco. Atualmente atende mais de 600 alunos, do 1º ao 5º ano.  Nos últimos anos tem se destacado na qualidade do ensino, subiu de 4.9 para 5.1 no Ideb – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica.

Os resultados colocam a instituição em um patamar mais elevado que escolas públicas de grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro. Para falar desses avanços e das dificuldades no ensino o secretário estadual de Educação e Esporte Marco Brandão se reuniu com os pais dos alunos.

Por cerca de uma hora o gestor falou do enfrentamento às barreiras na educação e ressaltou o papel da família na elevação do processo educacional. Disse que a família e a escola precisam trabalhar em parceria, com base na colaboração e no compartilhamento, para melhorar o rendimento dos alunos.

“É preciso que as nossas crianças, adolescentes e jovens recebam apoio familiar, eles precisam acreditar na transformação de suas realidades por meio da educação. Não basta a escola dizer que eles têm que estudar para se tornar alguém, eles precisam sair de casa conscientes disso, para que a escola possa cumprir seu papel com eficiência”, destaca.

Para Valter Hermógenes, pai do aluno Vlardysson Lukas Hermógenes, a conversa reforça o compromisso do Estado com o ensino e aproxima a escola da comunidade.

“Dificilmente tem um secretário que vem à escola ouvir os pais dos estudantes. Acho essa interação fundamental, porque passa a segurança de que temos ajuda na educação dos nossos filhos. Além de ajudar também a formar essa rede de colaboração que ele falou, pais e escola trabalhando em parceria para melhorar o aprendizado dos alunos”, diz.

Francilene Lima, coordenadora do projeto Escola e Comunidade de Mãos Dadas, também participou do encontro. A conversa foi realizada no hall da escola na tarde de quinta-feira, 29.