gestão

Saúde realiza oficina de planejamento para gestores da regional do Baixo Acre

Com o objetivo de traçar metas e estratégias para a organização do Sistema Único de Saúde (SUS) no estado, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Saúde (Sesacre), vem realizando oficinas nas regionais sobre o Planejamento Regional Integrado (PRI), que é parte do projeto das ferramentas de gestão do SUS.

Oficina encerra-se nesta quinta-feira, 1º. Foto: cedida

O Alto Acre e a regional do Juruá já foram contemplados com a primeira fase do processo, que inclui a oferta de oficinas para levantamento de dados e indicadores, visando à consistência de um Plano Estadual de Saúde, que será construído posteriormente.

Agora é a vez da regional do Baixo Acre, compreendida por Acrelândia, Plácido de Castro, Capixaba, Senador Guiomard, Santa Rosa do Purus, Jordão, Sena Madureira, Bujari, Manoel Urbano e Porto Acre, além do município-sede, Rio Branco. A oficina para a região se inicia nesta quarta-feira, 30, e se estende até quinta-feira, 1º.

“O Ministério da Saúde convida os estados a realizar seus PRIs desde 2018, e no Acre esse processo se iniciou em 2020, sob gestão da Sesacre, com apoio do MS e da Sociedade Beneficência Portuguesa. Na sua execução, estão previstas etapas que se realizam através de oficinas regionais, com os temas necessários ao processo”, explicou a coordenadora do PRI, Priscylla Aguiar.

Ainda de acordo com a coordenadora, atualmente a Sesacre realiza a etapa de Análise da Situação de Saúde, que compreende o levantamento de dados e indicadores de saúde, bem como de todos os serviços e pontos de atenção disponíveis para, a partir disso, observar-se os vazios assistenciais e as necessidades de cada região.

As próximas etapas, previstas para 2023, incluem a definição de objetivos, metas e indicadores para cada região, seguidas pela modelagem das Redes de Atenção à Saúde e programação das ações e serviços de saúde, em que são definidos a oferta e o investimento financeiro necessário.

Participam da oficina secretários municipais de saúde e seus técnicos, profissionais do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) do Alto Rio Purus, além da Superintendência do Ministério da Saúde no Acre e Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Acre (Cosems).