Ruas do Povo define com comunidade trabalhos durante o período do inverno

Os bairros visitados estão dentro dos onze que serão completamente pavimentados até o verão do próximo ano Stalin Melo

Com a comunidade, Marcus Alexandre apresentou o programa de trabalho a ser executado durante o período das chuvas e ouviu diversas sugestões dos moradores (Foto:Assessoria Deracre)
Com a comunidade, Marcus Alexandre apresentou o programa de trabalho a ser executado durante o período das chuvas e ouviu diversas sugestões dos moradores (Foto:Assessoria Deracre)
Com a comunidade, Marcus Alexandre apresentou o programa de trabalho a ser executado durante o período das chuvas e ouviu diversas sugestões dos moradores (Foto:Assessoria Deracre)

Com a comunidade, Marcus Alexandre apresentou o programa de trabalho a ser executado durante o período das chuvas e ouviu diversas sugestões dos moradores (Foto:Assessoria Deracre)

A última sexta-feira, 18, amanheceu com o tempo nublado e com forte possibilidade de chuva. Dia propício para o presidente do Comitê Gestor do Programa Ruas do Povo em Rio Branco, Marcus Alexandre, pegar todos os engenheiros, equipe técnica e os empreiteiros das obras e colocar o pé na lama para conhecer a realidade dos moradores dos bairros mais afastados da cidade.

Com a comunidade, Marcus Alexandre apresentou o programa de trabalho a ser executado durante o período das chuvas, ouviu diversas sugestões dos moradores, que melhor do que ninguém conhecem a demanda de sua rua e definiu as prioridades para cada bairro. Nesse momento, a intervenção que será feita na maioria das ruas diz respeito a serviços de drenagem e também de piçarramento para dar condições de acesso “No verão as ruas serão todas pavimentadas”, explicou.

Além da drenagem e do piçarramento, estão previstas ainda obras de esgotamento sanitário e meio-fio nesses bairros. Além disso, onde houver necessidade, o Comitê  Gestor deverá realizar também desobstrução de bueiros para que os moradores não tenham nenhum prejuízo durante o inverno.

Sete bairros foram visitados pelo Comitê Gestor: Pedro Roseno, Village Tiradentes, João Paulo, Plácido de Castro, Santo Afonso I, Santo Afonso II e Alzira Cruz. Em todos eles, os técnicos do Deracre, do Depasa e da Emurb colocaram, literalmente, o pé na lama para conhecer de perto o sofrimento dos moradores. “Tínhamos que conhecer a realidade das pessoas nesse período e não durante o verão”, disse Marcus Alexandre.

Os bairros visitados estão dentro da ordem de serviço dada há uma semana pelo próprio Marcus Alexandre e pelo prefeito de Rio Branco Raimundo Angelim, onde serão pavimentadas 222 ruas. “Nossa expectativa é que no verão do próximo ano os bairros que estamos visitando nesse momento possam estar com todas as ruas pavimentadas”, explicou.

Somente nestes bairros serão 80 ruas pavimentadas pelo Programa Ruas do Povo, sendo 12 no Pedro Rosendo, 10 no Village Tiradentes, 52 ruas nos bairros João Paulo, Plácido de Castro, Santo Afonso I e Santo Afonso II, além de 6 ruas e quatro becos no bairro Alzira Cruz, totalizando quase 22 quilômetros de ruas a serem trabalhadas já neste inverno.

Boa parte dos bairros tem uma formação muito recente, como o Pedro Roseno, que não tem mais de 12 anos e que até agora havia recebido apenas meio quilômetro de pavimentação de ruas e drenagem. Com as ações do Programa Ruas do Povo serão nada menos do que 2,6 quilômetros de ruas a serem pavimentadas (cinco vezes mais do que já havia sido feito em toda a história do bairro). Ao todo serão 205 famílias beneficiadas.

No Village Tiradentes a situação não é muito diferente. O bairro existe desde 1994, mas de acordo com os moradores ainda não havia recebido qualquer tipo de ação do governo. De uma única vez, o Programa Ruas do Povo irá realizar a pavimentação de 10 ruas e beneficiar quase 90 famílias que residem no local.

Também nos bairros João Paulo, Plácido de Castro, Santo Afonso I e Santo Afonso II foram definidas as prioridades, pois de acordo com Marcus Alexandre existem ruas nessas localidades que necessitam de uma atenção especial. “Os engenheiros e os empreiteiros estão aqui exatamente para definir com os moradores o que vai ser feito neste primeiro momento para garantir o acesso das pessoas e para que elas possam, definitivamente tirar o pé da lama”, explicou.

Os recursos para a realização dos trabalhos já estão garantidos pelo governo do Estado. Uma parte virá do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e outra parte do empréstimo contraído este ano junto ao Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).