Situação emergencial

Reservatório de Bujari apresenta redução no volume de água

No período de estiagem, captar água para tratamento torna-se algo complexo, devido à redução dos níveis dos mananciais, além das adversidades provocadas no funcionamento dos equipamentos.

Como consequência desse momento de seca, o segundo pior cenário, de acordo com as entidades ambientais, nesta semana o reservatório da Estação de Tratamento de Água (ETA) de Bujari apresentou uma redução drástica no seu volume de distribuição.

“A profundidade do reservatório é superior a cinco metros, mas atualmente o ponto mais profundo está em torno de 1 metro, depois de uma queda brusca na lâmina de água do açude, onde captamos e distribuímos água para as mais de 1.500 ligações residenciais ativas”, relata do diretor de abastecimento do Depasa, David Bussons.

Reservatório da ETA do Bujari apresentou redução drástica em seu volume de água (Foto: Diego Gurgel/Secom)

O município, localizado a 22 quilômetros de Rio Branco, na BR-364, sentido Juruá, conta com 9.500 habitantes. Como forma de amenizar os impactos desse grave caso de seca, algumas ações emergenciais já estão sendo executadas.

“Iniciamos o bombeamento da água de um pequeno açude, que fica nas proximidades do reservatório, para seguir com o fluxo de captação e abastecimento. No entanto, essa medida é temporária e pode durar, no máximo, dez dias. Infelizmente, teremos de adotar medidas de racionamento”, informa Bussons.

O processo de distribuição de água na cidade terá uma intermitência de três dias, até a recuperação do manancial. “O quantitativo de chuvas na região está sendo insuficiente para a manutenção do manancial, fato que provocou essa redução repentina. O momento é de alerta. Esperamos que a estiagem termine e o volume de chuvas volte a recuperar o açude”, comenta o gestor.

Técnicos do Depasa bombeiam água de um açude próximo para o reservatório de Bujari (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Situação de Emergência

Bujari foi uma das regiões onde foi decretada situação de emergência por causa da estiagem. A publicação consta na edição do Diário Oficial do Estado do Acre (DOE) e foi decretada pelo governador Tião Viana no último dia 25 de agosto.

O documento atende recomendações da Defesa Civil Estadual, que leva em consideração a escassez de chuvas, registrada em sua maior parte nos meses de agosto, setembro e outubro. No entanto, a Defesa Civil Nacional ainda não reconheceu o decreto, fato que dificulta o enfrentamento da estiagem.

Agentes técnicos do Depasa intensificam a campanha “Nós Contra o Desperdício”, com ações educativas em prol do uso racional da água.