Progresso socioeconômico

Reino Unido e KfW constatam resultados da política de desenvolvimento sustentável

A Natex é a única fábrica de preservativos que usa borracha nativa no Brasil (Foto: Alexandre Noronha/Secom)

A política de desenvolvido sustentável adotada pelo governo do Acre fez com que o estado fosse o primeiro no mundo a desenvolver o programa global REM (REDD Early Movers – pioneiros na conservação), financiado pelo Banco Alemão KfW. Com um sistema de pagamentos por concessão de serviços ambientais, que visam reduzir o desmatamento ilegal, gerando renda e qualidade de vida aos acreanos, uma nova fase do programa é negociada.

Durante toda a semana, a coordenadora do programa REM do KfW, Christiane Ehringhaus, acompanhada do representante do governo do Reino Unido, Sean Beis Frisby, esteve visitando empreendimentos e iniciativas, responsáveis pela transformação socioeconômica ambiental que o estado vive.

O Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia S/A é uma das grandes apostas do governador Tião Viana, que ao mesmo tempo que fomenta a industrialização do pescado, fortalece a cadeia produtiva do peixe por meio dos incentivos ofertados, especialmente, ao pequeno produtor. A indústria, que dispõe de tecnologia de ponta, já exporta seus produtos para outros centros do Brasil e países andinos.

Durante a Semana Santa (feriado religioso, em que as pessoas cultivam a tradição de comer a proteína do peixe), a Peixes da Amazônia vai comercializar 60 toneladas de pescado para o mercado nacional e outras 20 toneladas, a cada 10 dias, para o Peru.

Em Rio Branco, a comitiva também conheceu as experiências do Viveiro da Floresta, que possui uma produção anual de cerca de 500 mil mudas. Gerido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), a instituição cultiva 60 espécies de plantas diferentes, entre frutíferas e florestais.

Nos últimos anos, estima-se que quatro milhões de mudas já tenham sido doadas para os produtores acreanos. A produção do viveiro abastece programas estaduais como o Florestas Plantadas, Arborização Urbana, e demais ligados à área de fomento econômico rural.

“Essas atividades produtivas beneficiam o planeta pela redução de carbono na atmosfera,  por isso são reconhecidas pelo governo alemão. Os pagamentos de resultado são efetuados anualmente, quando se comprova as contínuas reduções de desmatamento. Agora, estamos discutindo a continuidade desse programa, onde o Acre foi o primeiro a desenvolver e tem conseguido efetivos resultados nas diferentes cadeias”, frisou a diretora-presidente do Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), Magaly Medeiros.

A fábrica gera renda para mais de 300 famílias de seringueiros (Foto: Alexandre Noronha/Secom)

Industrialização florestal

Em Xapuri, o grupo visitou a Fábrica de Preservativos Natex, a única do mundo que trabalha com borracha nativa. O empreendimento público gera 121 empregos diretos no município e compra a produção de 300 famílias de extrativistas, fortalecendo a cadeia produtiva da borracha.

Atualmente, a fábrica beneficia 200 toneladas de látex por mês, convertidos em quatro milhões de preservativos masculinos, que são vendidos para o Ministério da Saúde. Uma linha de produtos comercial está sendo pensada e desenvolvida.

As experiências com a industrialização dos óleos e essências florestais também foram apresentadas. Com alto potencial produtivo, a Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac), apoia diversas cooperativas acreanas e busca auxílio para expandir os mercados.

Para o representante da embaixada britânica, Sean Beis Frisby, o Acre é um exemplo e serve como esperança para novos modelos de desenvolvimento que estão surgindo no mundo. “Esse é um modelo que conserva a floresta, ao mesmo tempo que movimenta economia. Eu já conhecia algumas experiências do Acre, mas não imaginava que fossem tão grandiosas”, destacou.