monitoramento

Qualidade do ar no Acre é tema de palestra dentro da programação do Mês do Meio Ambiente

Em parceria com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), o Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação dos Serviços Ambientais (IMC) contribuiu para a Programação do Mês do Meio Ambiente com a palestra “Padrões e Qualidade do Ar no Acre”, ministrada pelo doutor em Ciências de Florestas Tropicais e Diretor Executivo do IMC, Willian Flores.

A palestra virtual foi transmitida pelo Canal da Sema no YouTube, na quinta-feira, 10. Os convidados puderam aprender sobre a importância e os riscos ocasionados pela alta incidência de material particulado no ar, como a poeira, fumaça e fuligem, entre outros.

Willian Flores explicou que a poluição do ar é um dos grandes problemas de saúde pública dos tempos atuais e a exposição continuada a gases nocivos impacta até na diminuição da expectativa de vida.

Willian Flores explicou que a poluição do ar é um dos grandes problemas de saúde pública dos tempos atuais e a exposição continuada a gases nocivos impacta até na diminuição da expectativa de vida. Foto reprodução

Ele lembrou que, em 2005, o Acre enfrentou um dos períodos mais críticos devido à seca histórica provocada pelo aumento das queimadas ilegais, que ocasionou alta taxa de internação por problemas respiratórios, especialmente entre idosos e crianças e desde então esse problema vem sendo recorrente anualmente.

A incidência de material particulado no ar é apontada, pela comunidade cientifica, como um dos fatores para o desenvolvimento de efeitos adversos a saúde humana com infarto do miocárdio, câncer de pulmão, doenças pulmonares crônicas e aumento de internações por doenças do trato respiratório superior.

A incidência de material particulado no ar é apontada, pela comunidade cientifica, como um dos fatores para o desenvolvimento de efeitos adversos a saúde humana. Foto reprodução

Para monitorar a qualidade do ar no Acre, Willian Flores lembrou que em 2017 foi instalado, no mês de novembro, na Universidade Federal do Acre – primeiro sensor Purpleair da Amazônia.

30 medidores de fumaça foram entregues pelo Ministério Público e distribuídos em todos os municípios do Acre. Foto: a Assessoria Sema

No ano seguinte, mais dois sensores foram instalados: Cruzeiro do Sul e Puerto Maldonado, Madre de Dios, Peru (Região MAP). Em 2019, outros 29 sensores foram instalados, pelo menos um em cada município do Acre. Em 2021, o Acre passou a contar com 31 sensores instalados. Atualmente essa base de dados está disponível nos sites Acre Qualidade do Ar : www.acrequalidadedoar.info e Purpleair www.purpleair.com/map?opt=1/mPM25/a10/cC4#7.04/-9.253/-70.379.

Para monitorar a qualidade do ar no Acre, Willian Flores lembrou que em 2017 foi instalado, no mês de novembro, na Universidade Federal do Acre – primeiro sensor Purpleair da Amazônia. Foto reprodução

Saiba mais

No mês de maio, com a proximidade do período de estiagem, o Governo do Acre retomou a publicação diária do Boletim de Monitoramento de Queimadas de Qualidade do Ar na Amazônia Legal e no Acre. Os dados apresentam detalhes sobre o monitoramento de seca, risco de fogo, focos de calor, acompanhamento da poluição atmosférica e qualidade do ar.

Os relatórios são elaborados diariamente pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), por meio da Sala de Situação de Monitoramento Hidrometeorológico do Centro Integrado de Geoprocessamento e Monitoramento Ambiental (Cigma), e podem ser acessados no site da Sema (sema.ac.gov.br) e também da Agência de Notícias (agencia.ac.gov.br/sema).