Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A é tema de oficina

Coordenadores nutricionais das três regionais de saúde participaram da oficina (Foto: Junior Aguiar/Sesacre)
Coordenadores das três regionais de saúde participaram da oficina (Foto: Junior Aguiar/Sesacre)

Com o objetivo de ampliar a aplicação da vitamina A em crianças de seis meses a cinco anos e aprimorar o repasse de informações a cada município, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), realizou na manhã desta terça-feira, 29, a oficina sobre o Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A, no auditório do Acreprevidência.

Participaram da oficina os coordenadores dos municípios das três regionais de saúde. Eles puderam esclarecer dúvidas em relação às dificuldades de cada localidade.

A gerente da Divisão de Alimentação e Nutrição, Deltirene Cardoso, foi a palestrante da oficina e explicou aos participantes a importância da vitamina A para as crianças, destacando os cuidados necessários para a verificação do cartão de saúde da criança e, por meio dele, verificar a necessidade de suplementação.

Deltirene Cardoso também alertou quanto ao controle do medicamento. “O registro das doses utilizadas deve ser lançado no mapa de vacinação. Por meio dele, verificamos a necessidade da vacina no município. Sem essas informações não é possível sabermos a necessidade de cada UBS [Unidade Básica de Saúde], já que o repasse do medicamento pelo Ministério da Saúde é feito de acordo com os dados que encaminhamos de cada cidade”, completou.

Ação importante

Para a coordenadora de Atenção Básica de Marechal Thaumaturgo, Alessandra Barbosa, a oficina é importante para a rede de atenção básica. Ela observa que a suplementação evita que a criança adoeça e auxilia na recuperação de outras doenças. “Precisamos dessas informações para levar aos municípios e ensinar aos técnicos a maneira correta da aplicação da vitamina A”, disse a coordenadora.

Este ano o Ministério da Saúde fez o repasse do medicamento também para as mulheres puérperas (pós-parto) de Rio Branco, Brasileia, Tarauacá e Cruzeiro do Sul. Porém, a aplicação só poderá ser realizada nas maternidades logo após o parto.

A aplicação do medicamento é realizada pelos municípios, que recebem o apoio técnico da gestão estadual. A distribuição dos suplementos é gratuita para as Unidades Básicas de Saúde (UBS), por intermédio do Sistema Único de Saúde (SUS).