Políticas LGBT são pauta em reunião com a Segurança Pública

A ideia é enfrentar as causas e efeitos da homofobia (Foto: Pedro Paulo)
A ideia é enfrentar as causas e efeitos da homofobia (Foto: Pedro Paulo)

Representantes de várias instituições participaram nesta quarta-feira, 15, da terceira reunião do grupo de trabalho organizado para discutir políticas de Segurança Pública para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT). A reunião ocorreu no auditório da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

De acordo Vanderlei Thomas, secretário Adjunto de Integração Social da Sesp, a proposta segue uma diretriz nacional, consequência de uma parceria fixada pelo Termo de Cooperação Técnica celebrado entre a Secretaria de Direitos Humanos, o Ministério da Justiça, a Secretaria Nacional de Segurança Pública e a Sesp.

“Nesta reunião conseguimos avançar para as unidades policiais, existem em âmbito nacional, em repartições policiais, muitos casos em que há ‘recorte’ de homofobia. A ideia é conscientizar nossos policiais, não só para um acolhimento humanizado ao público alvo, mas também assegurar os direitos de todos”, explicou Thomas.

A ideia é enfrentar, por meio de políticas públicas, as causas e os efeitos da discriminação e da violência homofóbica. A definição de diretrizes em comum, para enfrentar as causas e os efeitos da discriminação foram os assuntos predominantes.

“É muito importante essa iniciativa da Segurança Pública. Vamos avançar a passos largos contra a homofobia, que é, sem dúvida, uma mazela da sociedade. A Ordem dos Advogados Seccional Acre [OAB/AC], sempre esteve ao lado dessa luta, portanto, está mais que credenciada para estar aqui”, disse o representante da OAB/AC no GT, Moisés Alencastro.