1º lugar

Policial Militar do Acre é destaque em curso operacional no Amazonas

Arcidelando Furtado Passos tem 36 anos, 15 deles dedicados ao serviço policial militar. Oriundo de Porto Velho, o 1º tenente da Polícia Militar do Acre (PMAC), que já foi soldado na Polícia Militar de Rondônia (PMRO), foi um dos 17 profissionais de Segurança Pública concludentes do II Curso de Força Tática, da Polícia Militar do Amazonas (PMAM). A solenidade de conclusão do treinamento se deu no final de maio, no Batalhão de Força Tática da corporação amazonense.

Tenente Furtado Passos foi o 1º colocado do curso. Foto: Cedida

Iniciado no dia 5 de abril, com duração de 50 dias e uma carga de 534 horas, o curso operacional começou com 50 profissionais de segurança pública do Amazonas, Acre e Espírito Santo, que sonhavam em conquistar o tão almejado brevê de Força Tática. O curso ofertou disciplinas teóricas, como Abordagens táticas, Pilotagem policial, Doutrina de força tática e Choque ligeiro, entre outras, além da parte prática, com estágios supervisionados nas ruas de Manaus, que resultaram em apreensões de drogas e armas.

O Raio Vermelho é o símbolo máximo da Força Tática do Amazonas. Foto: Cedida.

O tenente Furtado Passos, além de concluir com êxito o curso, elevou o nome da Polícia Militar do Acre, superando barreiras como a distância familiar, as adaptações ao ambiente [mais úmido] e toda a carga psicológica e física, destacando-se como o 1º colocado no treinamento.

“A Polícia Militar do Amazonas, em especial o Batalhão de Força Tática, possui uma doutrina de policiamento muito parecida com a Rotam [Companhia de Rondas Ostensivas Tático Móvel]  do nosso estado, voltada para a área de patrulhamento tático. Durante o curso, além dessas áreas trabalhadas, tivemos a oportunidade de aprender técnicas de operações ribeirinhas, devido ao ambiente característico amazônico, além de patrulhamentos rurais, que poderemos colocar em prática aqui no Acre”, destacou o oficial, que está lotado no 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM).

O curso possui uma carga elevada, física e mental. De 50 policiais, apenas 17 se formaram. Foto: Cedida