Assistência

Plantão psicológico garante rede de apoio durante isolamento social

Atendimentos são realizados via WhatsApp por um grupo formado por 15 profissionais da psicologia; as conversas são referentes ao momento atual de pandemia e isolamento social

Não sair de casa, não ter o contato físico, não desfrutar da liberdade de ir e vir são condições necessárias nesse momento para conter o novo coronavírus. O isolamento social como é chamado traz consigo uma pendência de questões existenciais do “ser humano”.

As ruas vazias e a mente cheia de vozes durante o isolamento social. Foto: Odair Leal/Secom

Como a maioria das pessoas não está acostumada a lidar, ou, dedicar um pouco de atenção às questões mentais na correria do dia a dia, agora, vê-se de frente com essas questões. Preocupados com a saúde mental das pessoas, um grupo de 15 psicólogos em Cruzeiro do Sul, se juntaram para ajudar quem está em sofrimento psicológico por causa do isolamento social.

Os atendimentos, que na verdade é mais uma conversa de ajuda, acontecem via WhatsApp, e os profissionais fazem um revezamento, tudo organizado por horários. Segundo a psicóloga Nayara Ribeiro, os assuntos devem ser referentes às questões trazidas pelo isolamento social.

“A queixa deve estar relacionada à pandemia a qual vivenciamos. Não se trata de psicoterapia, mas sim, uma assistência psicológica, pois a gente percebe o quanto as pessoas estão precisando desse atendimento e dessas orientações”, relatou uma das profissionais do grupo, Nayara Ribeiro.

Considerados males do séculos, a ansiedade elevada, o medo, insegurança, pânico e outros transtornos mentais tomam uma proporção maior diante do cenário de pandemia, e isolamento. Nesse sentido o Plantão Psicológico contribui para que pessoas com essas sofrimentos tenham com quem desabafar.

“Estamos unidos em prol do bem estar mental de cada cidadão que procurar ajuda. Ressaltando que essa assistência é gratuita, que não é terapia on-line”, explicou Nayara Ribeiro.

A profissional conta ainda que muitos profissionais na saúde também estão passando por sofrimentos psicológicos, eles que lutam lidam direto com as suspeitas de contaminação por coronavírus e, que estes, também precisam de conversas e atendimento.

Atendimento

Para a solidariedade não existem fronteiras, os profissionais são de Cruzeiro do Sul, Tarauacá e de Manaus. “Percebemos que algumas pessoas estão em pânico mesmo, até mesmo profissionais da saúde aqui, está muito complexo. É um momento das pessoas terem cuidado, de prevenção e que levem esse momento com tranquilidade e calma”, enfatizou a psicóloga Nayara Ribeiro.

O contato funciona pelo Whatsapp via mensagem ou áudio. Nas conversas, apesar de não ser uma terapia, limitando-se a três atendimentos por pessoas, mantém-se o sigilo profissional. Cada profissional tem seu telefone, os dias e horários disponíveis. Confira à baixo:

Os profissionais dividem-se a atendem em horários estabelecidos. Foto: Cedida