comunicação

Pesquisador libanês palestra sobre participação social no mundo digital

Como o digital muda o nosso mundo?”. Com essa indagação o pesquisador e teórico libanês Hadi Saba Ayon deu início a sua palestra intitulada “Da interação simbólica ao rastro digital: a arquitetura da informação para uma participação social em redes”, na tarde da quarta-feira, 27, na filmoteca da Biblioteca Púbica.

Doutor em Ciências da Informação e da Comunicação pela Universidade do Havre, na França, Hadi palestrou durante duas horas para uma plateia composta por jornalistas, políticos, gestores e convidados.

Entre os pontos tratados, um deles foi a visão da comunicação como interação social, contexto e interpretação com citações de Blumer e Watzlawick como: “Não podemos não comunicar”.

Citando Louise Marzeau (em memória), professora da Universidade Paris-Nanterre, especialista em Ciência da Informação e Comunicação, Haidi discorreu sobre o estudo de que no ambiente digital não podemos não deixar rastros, propondo uma reflexão.

Em seu trabalho, Hadi traça uma análise de como o ambiente digital pode se tornar uma ferramenta de inclusão social (Foto: Alexandre Noronha/Secom)

O teórico, que se denomina interacionista, está desde o fim dos anos 2000 estudando a relação de nossa sociedade com o mundo digital. Em 2014, após longo caminho de pesquisa e análises, finalizou seu doutorado com a tese “Rastros digitais, discriminação e recrutamento na Alta Normandia: a situação das pessoas com limitação funcional psíquica”.

Em seu trabalho, Hadi traça uma análise de como o ambiente digital pode se tornar uma ferramenta de inclusão social. “Esses rastros se acumulam. O problema é que eles não têm um significado, mas podem ter quando os encontramos e interpretamos. É a ideia de que a cultura digital apresenta muitos riscos aos usuários, mas também vantagens. A questão dos rastros é complexa. Todos os escritos textuais, usando o WhatsApp, Facebook, várias plataformas, acumulam muitos rastros e a maioria deles são usados pelas empresas que oferecem planos e serviços grátis, mas na verdade nós pagamos por esses rastros. Não é perigoso fazer isso, mas é preciso ter consciência e prestar atenção, saber como gerir a nossa vida digital”, disse.

Para Hadi essa rastreabilidade digital questiona o presente e futuro da nossa sociedade marcando uma influência muito forte na vida individual e coletiva, familiar, na construção das relações sociais, no trabalho e questiona também as nossas identidades e liberdades.

“Quais os limites que temos para ficarmos livres e para sabermos onde que temos que ir? O digital é uma questão muito difícil para resumir, não é só uma cultura, uma ferramenta ou tecnologia complexa que funciona com o ser humano e sem ele também que pode ajudar ou não”.

Em uma de suas falas, o teórico interacionista citou a web como uma noção importante do digital. “A rede é que faz do digital algo interacional que existe em todos os lugares, vincula informações e permite os usuários se conectarem”.

No ambiente digital, Hadi citou os níveis que conectam a tecnologia com o ser humano. “O digital é suporte, media e ambiente. A gente usa a informática para escrever, para guardar, publicar o texto em várias versões, mas também como ferramenta para produzir a informação do que os governos estão fazendo, os políticos, o comerciante. Posso dizer que moramos no ambiente digital”, explicou.

Para o pesquisador, estamos conectados com esses níveis diferentes, no qual descreve como uma espécie de “ecossistema digital”, feito da tecnologia, do ser humano e de conteúdo. “Tudo isso afeta a nossa vida, o relacionamento, o amor. Hoje, a gente se relaciona de forma diferente com o digital. A característica dessa mudança é o dinamismo, porque é um ambiente que não podemos dar uma descrição definitiva. São interfaces que mudam a toda hora. É preciso também uma aprendizagem longa e estratégica para todos nós”.

Sobre complexidade digital, Hadi disse ser importante trabalhar como passamos da comunicação do self, construção da pessoa em relacionamento com os outros, para a identidade digital.

“Dos perfis que criamos e compartilhamos temos que migrar para o mais difícil que é a presença digital. Como podemos investir nessa atividade digital não só para colocar dados e rastros e resumir o individual a esses rastros, mas também ficar nesse ambiente e desenvolver um tipo de presença”.

Outros pontos abordados na palestra trataram da participação social: de hábito de vida à editorialização; a arquitetura da informação; a transliteracia: uma aprendizagem individual e coletiva, finalizando com a importância de investir os rastros em projetos memoriais.

“O objetivo desse encontro é de pensarmos juntos esses desafios e transformações básicas que são muito forte na sociedade e trazem consequências nas várias áreas. É sempre positivo colaborar com esses projetos. Agradeço pela recepção de todos, ao governo do Acre que me deu a oportunidade de falar do meu trabalho e também conhecer o trabalho de vocês”, comentou Hadi.

Ao final, o público interagiu com perguntas e a palestra encerrou com uma proposta lançada pela secretária de Estado de Comunicação Andréa Zílio sobre um projeto envolvendo comunicação digital e educação.

“O desafio é de tentar criar um grupo para elaborar um projeto para ser trabalhando em uma escola, de repente na Cidade do Povo, e ter como case, com ajuda do Hadi. Esse pode ser o nosso pontapé nessa jornada”, disse a secretária.