Partiu Acre: o fomento do turismo no estado mais ocidental do Brasil

É comemorado nesta terça-feira, 27, o Dia Mundial do Turismo. No Acre, há diversas ações que promovem o turismo interno e externo, rotas que interligam o Brasil ao mundo e políticas públicas voltadas para este setor.

Para comemorar a data, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer (Setul), promove diversas atividades durante a Semana do Turismo, realizada entre 17 e 27 de setembro.

Nela, houve lançamentos da Marca do Turismo, que a partir de agora será a imagem que caracteriza o turismo local e a Exposição Geoglifos, além da entrega do Selo de Acessibilidade aos hotéis que compõem o trade acreano. A semana foi aberta com o Primeiro Luau no Quixadá, que contou com a presença de integrantes de motoclubes e clubes de carros antigos, jipes e fuscas.

A região do Juruá também foi contemplada, com a Entrega do Plano de Turismo do Croa, o lançamento do Inventário Turístico e Gastronômico de Cruzeiro do Sul e o Primeiro Arena Juruá de Esportes Radicais.

#PartiuAcre

Em 2015, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer (Setul), lançou a campanha #PartiuAcre, que tem como objetivo fomentar o turismo interno para que o povo acreano passe a se conhecer melhor, visite regiões do estado e vivencie a diversidade cultural, compartilhando nas redes sociais, utilizando a hashtag.

“O Acre tem muito a oferecer ao seu povo e aos turistas que aqui vem. Temos no estado opções como sobrevoo de balão na região dos geoglifos, a trilha Caminhos de Chico Mendes, em Xapuri, a rota de compras até Cobija, os festivais indígenas e as riquezas naturais, como a Serra do Divisor e o Croa”, explica a gestora da Setul, Rachel Moreira.

Rota para o mundo

(Foto: Sérgio Vale/Secom)
(Foto: Sérgio Vale/Secom)

Localizada na tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Bolívia, a Estrada do Pacífico possibilita que o Acre seja uma porta aberta para o mundo. Conhecida também como Rodovia Interoceânica, a entrada fica na BR-317, e é uma forma de integração entre diversos países da América Latina.

A via nasce em Boca do Acre, no Amazonas, passa pelos municípios acreanos de Brasileia e Assis Brasil, atravessa a fronteira de Inãpíri, no Peru, ligando o Oceano Atlântico brasileiro ao Pacífico peruano.

Festivais Indígenas

(Foto: Sérgio Vale/Secom)
(Foto: Sérgio Vale/Secom)

No coração da floresta amazônica acreana, na parte mais alta das terra indígenas, está a Aldeia Nova Esperança. Para chegar ao local, são quase 15 horas de viagem por via terrestre e fluvial pelo Rio Gregório, no município de Tarauacá. O local abriga um dos principais eventos turísticos do Acre: o Festival Yawa, do povo indígena Yawanawá. Esta é considerada uma das maiores festividades étnicas na Amazônia, responsável por reunir tradição, cultura e espiritualidade

Pelo mesmo rio, é possível chegar à Aldeia Mutum, onde é realizado anualmente o Festival Mariri Yawanawá. O evento realizou neste ano sua quarta edição, reafirmando tradições e culturas por meio dos festejos ou conversas com os mais velhos.

Pontos Turísticos

Gameleira

(Foto: Acervo Secom)
(Foto: Acervo Secom)

Localizada à margem direita do Rio Acre, no Segundo Distrito de Rio Branco, está a Gameleira. No local, está a centenária árvore que deu nome ao local, símbolo de perseverança e resistência do povo acreano e que serviu de referencial para a fundação da capital, no fim do Século 19. Atualmente, o espaço é um grande calçadão, que hospeda pequenas lanchonetes, bancos para observação do manancial e o mastro da bandeira acreana.

Novo Mercado Velho

(Foto: Sérgio Vale/Secom)
(Foto: Sérgio Vale/Secom)

Antigamente conhecido como Mercado Municipal, construído na década de 1920, hoje é um ponto de encontro dos moradores e turistas que passam na capital acreana. Localizado na margem esquerda do Rio Acre, de frente para a passarela Joaquim Macedo e as pontes Juscelino Kubitschek e Coronel Sebastião Dantas, o Novo Mercado Velho conta com bares, restaurantes e lojas de artesanato, entre outros.

Palácio Rio Branco

(Foto: Sérgio Vale/Secom)
(Foto: Sérgio Vale/Secom)

Sede do governo do Acre, o Palácio Rio Branco foi construído, inicialmente, na década de 1920, com o projeto arquitetônico do alemão Alberto Massler. Inspirado nas edificações gregas, foi inaugurado em 1930, porém, só foi totalmente concluído no governo de José Guiomard dos Santos, em 1948.

Considerado o maior projeto arquitetônico do Acre, foi tombado em dezembro de 2005. Em 2008, na gestão do governador Binho Marques, foi oficialmente instituído Museu Palácio Rio Branco. No local, é possível contemplar o Obelisco dos Heróis da Revolução e a fonte da sagração. Além disso, pode-se, ainda, conhecer diversas fases da história do povo acreano por meio de vídeos, fotografias e depoimentos em áudio.

Parque da Maternidade

(Foto: Arquivo Secom)
(Foto: Arquivo Secom)

Inaugurado em setembro de 2002, o Parque da Maternidade possui uma extensão de 6.000 metros, cruzando boa parte de Rio Branco. Ao longo do parque, há vias para carros, ciclovias, pista de caminhadas e de skate, playgrounds, quadras de esporte, anfiteatros, praças, restaurantes e lanchonetes.

Sítio Histórico do Quixadá

(Foto: Sérgio Vale/Secom)
(Foto: Sérgio Vale/Secom)

O Sítio Histórico do Quixadá foi construído, inicialmente, para a gravação da minissérie Amazônia: de Galvez a Chico Mendes, produzida pela Rede Globo. Atualmente, o local funciona como museu que guarda itens usados na trama, como roupas e objetos. Além disso, há também um restaurante que serve comidas típicas do estado.

Catedral Nossa Senhora da Glória

(Foto: Internet)
(Foto: Internet)

Localizada no Centro de Cruzeiro do Sul, a Catedral Nossa Senhora da Glória é cartão postal da cidade. Fundada em 1931, a igreja foi construída em forma circular, de tijolinhos cor de barro escuro, ao estilo alemão.

Geoglifos

(Foto: Diego Gurgel/Secom)
(Foto: Diego Gurgel/Secom)

Grandes figuras observadas no solo de áreas rurais acreanas, de origem desconhecida. Só podem ser vistos a mais de 80 metros do chão, por meio de voo de balão ou avião. Os desenhos são em diversos formatos geométricos.

Leia também: Acre e o potencial ecoturístico: belezas que encantam