Parceria da Funtac fortalece cooperativismo no Acre

Funtac aplica capacitações em campo para extrativistas (Foto: Cedida)

A Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) avançou nos últimos anos em diversas frentes de pesquisas com espécies de óleos vegetais amazônicos. E é nesse sentido que o termo de cooperação técnica que a instituição mantém junto a comunidades extrativistas tem fortalecido o cooperativismo no estado.

De acordo com a coordenadora-técnica do Laboratório de Produtos Naturais (LPN) da Funtac, Gessica Sampaio, incentivar comunidades à utilização de insumos florestais com sustentabilidade é o maior ganho dessa parceria. Assim, é possível promover a geração de renda e cumprir a responsabilidade social.

Esse processo envolve várias fases. A Cooperativa Nova Cintra, de Rodrigues Alves, é uma entre as quais a Funtac mantém compromisso de realizar análises e emitir o laudo técnico de controle de qualidade dos óleos extraídos antes de irem para a comercialização.

Não apenas isso. As capacitações que se referem à aplicação de boas práticas de coleta também são realizadas em campo por equipes da instituição.

Funtac dispõe de toda a estrutura para análises e controle de qualidade (Foto: Celis Fabrícia)

“Nós identificamos as comunidades que dispõem de matéria-prima e fazemos a rastreabilidade das espécies. Assim, realizamos os cursos para que eles saibam manusear com consciência a riqueza que possuem”, destaca Gessica.

O trabalho com oleaginosas é um mercado em potencial para o setor industrial, principalmente para o desenvolvimento de linhas cosméticas. A Nova Cintra exporta exclusivamente os óleos vegetais, sobretudo o murmuru. Com quase 30 cooperados, mais de 200 coletores no Juruá e uma usina, a cooperativa possui contratos fechados fora do Acre.

No momento, o LPN trabalha com 15 espécies florestais (Foto: Celis Fabrícia)

“Com o apoio da Funtac para garantir a qualidade dos nossos óleos e o incentivo de outros programas ambientais, nossa produção é sustentável e crescente”, frisa José de Lima Queiroz, tesoureiro da Nova Cintra.

O LPN também disponibiliza a prestação de serviços, que vão desde a produção de fitocosméticos até a análise microbiológica de água e físico-química de óleos e alimentos para uma parte das indústrias e empresas acreanas.