Ongs se unem ao governo contra o desmatamento ilegal

DSC_6980
Encontro com organizações foi nesta sexta-feira (Foto: Bruno Pacífico/Cedida)

A força-tarefa estruturada por secretarias de Estado e órgãos governamentais para combater o desmatamento ilegal e as queimadas ganhou mais aliados.

Nesta sexta-feira, 3, representantes de Organizações Não Governamentais (Ongs) ligadas ao meio ambiente estiveram reunidos com a diretora-presidente do Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação dos Serviços Ambientais (IMC) do Acre, Magaly Medeiros, e os titulares da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Edegard de Deus, e da Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof), Glenilson Figueiredo.

As organizações são responsáveis pela gestão de alguns projetos desenvolvidos junto à comunidade rural do Estado. A SOS Amazônia, por exemplo, atua na reserva Alto Juruá, envolve duas mil famílias e mais de 180 comunidades em suas atividades. O secretário-geral da organização, Miguel Scarcello, explica que a equipe poderá agrupar as lideranças e multiplicar as informações e ações do governo.

“Nós estaremos agrupando as lideranças, as famílias, para que haja mais diálogo, para que tenham ainda mais conhecimento dos programas de governo e, com isso, ver qual combinação pode ser feita para esse momento”, disse.

Uma das principais iniciativas do governo para impedir o avanço do desmatamento e da queima ilegal tem sido equipar e dar assistência técnica aos produtores para que eles não tenham necessidade de degradar as florestas.

Para Magaly Medeiros, a participação das ONGs fortalece o trabalho do governo, uma vez que elas atuam como orientadoras das comunidades. “Muitas vezes esses produtores querem nos apoiar nas nossas tarefas, mas não sabem como poderiam fazer da melhor forma as boas práticas sustentáveis. Então essa é uma maneira de nós estarmos regionalizando as as ações com mais eficácia”, explicou.