alento

No Setembro Dourado, Unacon realiza confraternização em alusão a prevenção do câncer infantil

O Serviço de Radioterapia do Acre, da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), realizou na última quarta-feira, 29, um momento de confraternização para as crianças e funcionários. O objetivo foi levar mais alegria aos pacientes que tem feito o tratamento.

Unacon já atendeu mais de 500 crianças e adolescentes com câncer Foto: Danna Anute/Fundhacre

“O câncer infantil é raro e muito agressivo, mas tem altas chance de cura. Dessa forma, todo mês de setembro fazemos uma festinha de confraternização tanto para as crianças quanto para os funcionários no sentido de alertar que o câncer infantil tem cura, porém precisa ser diagnosticado precocemente”, destaca a oncologista pediatra da Unacon, Valéria Pereira Paiva.

A Unidade está no Estado do Acre há 15 anos e conta com o serviço pediátrico desde a sua fundação. Nesse período já foram atendidas mais de 500 crianças e adolescentes com câncer. “Tivemos muitos casos de sucesso, pacientes que tiveram doenças com seis e oito anos de idade, e que hoje são adultos, que trabalham e levam uma vida normal com filhos”, afirma Valéria.

A oncologista pediatra enfatizou ainda sobre a importância de alertar a população em diminuir a cultura do tratamento fora do domicílio, pois a Unacon oferece atendimento para os adultos e crianças. Assim, muitas pessoas desconhecem desse serviço no estado e da importância que é uma criança receber o diagnóstico da doença sem precisar sair de casa para ter o tratamento.

Evelyn Rafaella Teodoro, de 12 anos, faz o tratamento no estado e já sente a diferença. Foto: Danna Anute/Fundhacre

“São raro os casos como, por exemplo, o transplante de medula óssea, onde realmente é necessário sair do estado. A maioria tem condições de fazer quimioterapia e radioterapia aqui. Nosso braço mais importante é o Hospital da Criança, que realiza a internação do paciente, já a quimioterapia e radioterapia fazemos na Unacon e internação do Hospital da Criança”, encerrou.

Evelyn Rafaella Teodoro, de 12 anos, mora em Brasiléia, em apenas um mês de tratamento e duas quimioterapias já pode observar a diferença na dores que sentia antes.

“Não sabia como ia ser, senti medo, não sabia que estava com câncer. Fiquei muito triste com a notícia. Quando cheguei na Unacon a minha barriga doía muito do lado esquerdo, sendo que após a primeira quimioterapia não senti mais as dores. Estou muito agradecida. Aqui os médicos nos atendem muitos felizes, isso faz toda a diferença. O tratamento é muito bom”, disse Evelyn.