Maternidade necessita de mais doadoras para o banco de leite

A filha de Eliene se alimenta com o leite processado na Maternidade (Foto: Angela Peres/Secom)
A filha de Eliene se alimenta com o leite processado na maternidade (Foto: Angela Peres/Secom)

Um ato que aumenta a oportunidade de sobrevivência dos bebês prematuros que nascem na Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco: doar leite materno para renovar o estoque do hospital. Há 14 anos, o banco de leite funciona 24 horas por dia, com o objetivo de suprir a demanda das enfermarias onde se encontram os bebês de nascimento precoce e de baixo peso. Segundo o coordenador do banco, Hélio Pinto de Souza, é necessário que mais mulheres se habilitem como doadoras para ajudar a causa.

O leite humano doado é aquecido a 62,5°C por 30 minutos, e em seguida, submetido a um choque térmico. O processamento torna o leite pasteurizado para poder ser mantido por até seis meses no estoque. A prioridade são os bebês com peso inferior a 1,5 quilo. “Esse é um processo necessário, uma vez que não se aconselha que o leite de outra mãe seja dado diretamente ao bebê”, explica Hélio.

Diariamente, a equipe do banco de leite visita as enfermarias da maternidade e orienta as novas mamães para que elas alimentem os filhos prioritariamente até os seis meses exclusivamente com o leite materno, pelas propriedades que possui, essenciais para o desenvolvimento do bebê. “Durante as visitas identificamos as mães que têm muita produção de leite e pedimos para que se tornem doadoras e ajudem as que não ainda não conseguem amamentar seus filhos”, completa.

Eliene Macedo de Lima teve parto prematuro e permanece internada com a pequena Paloma, que se alimenta com o leite de doadoras. “Cada gota é preciosa, porque no estado emocional que a gente fica é ainda mais difícil produzir leite. Hoje compreendo a importância dessas doações, e se eu chegar a produzir muito leite quero ser uma doadora também”, frisou a mãe.

A Maternidade disponibiliza um serviço grátis, por meio do número 0800-647 1060, para orientar mães com dificuldade na hora da amamentação e fazer o cadastro de mães que desejam ser doadoras.

 

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest