qualidade

Maternidade de Tarauacá investe em práticas de humanização dos partos

Desde o mês de agosto, a Maternidade Ethel Muriel Geddis vem aprimorando os serviços em relação ao parto humanizado.  A intenção é proporcionar uma experiência mais satisfatória para as parturientes no município de Tarauacá.

A iniciativa baseada nas boas práticas obstétricas, colabora para um parto natural, o que contribui para a recuperação da mãe. Envoltos nesse  propósito estão os médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e fonoaudiólogo.

Equipe da Maternidade Ethel Muriel Geddis, de Tarauacá Foto: Cedida.

A gerente-geral da maternidade, Laura Pontes, explica que  o projeto está em fase de aprendizado e melhorias nos atendimentos ofertados, e que o objetivo é atender a totalidade das pacientes nesse formato.

O ginecologista e obstetra Paulo Favini é um dos profissionais que atuam no projeto Foto: Cedida.

“As mudanças que estão ocorrendo são as novas técnicas utilizadas para facilitar o parto normal. As gestantes escolhem como desejam ter seu parto. A ideia é diminuir significativamente o número de partos cesáreos”, relata Laura.

O ginecologista e obstetra Paulo Favini é um dos profissionais que atuam nesse projeto, e se desloca de Rio Branco para colaborar com a proposta na maternidade do município. “O meu modo de atuação é voltado para uma obstetrícia humanizada, solidária a um dos momentos mais importantes na vida de uma mulher, que é a concepção, um momento em que prioridade é a empatia”, ressalta o médico.

Ele conta ainda que, o modelo tradicional, que era uma obstetrícia de condutas inadequadas, como o parto forçado a episiotomia (corte no períneo para bebê nascer), ficou no passado e que já não ocupa lugar na atualidade.