Voluntariado

Máscaras-escudo são doadas aos profissionais que atuam contra o coronavírus

Rosângela Dourado, Júlio César Monteiro e Gabriel Vaglieri tiveram a iniciativa de confeccionar máscaras-escudo (face shields) impressas em 3D, símbolos do combate ao novo coronavírus (Covid-19). Viram nesse momento de distanciamento social uma oportunidade de ajudar os profissionais da saúde, para blindá-los dos perigos da contaminação.

Máscaras-escudo (face shields) impressas em 3D Foto: Neto Lucena/Secom

O Governo do Estado, por meio do Gabinete da primeira-dama, recebeu nesta quinta-feira, 2, a doação de 26 máscaras-escudo que serão repassadas à Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) para os profissionais de saúde no combate à SARS-CoV-2.

“Eu fiquei impressionada com esse trabalho realizado com tanta dedicação e perfeição e o amor que esse gesto de voluntariado transmite”, disse a primeira-dama, Ana Paula Cameli Foto: Neto/Secom.

A primeira-dama do Estado, Ana Paula Cameli, recebeu das mãos da arquiteta Rosângela Dourado os equipamentos de proteção individual e falou da importância da ajuda da sociedade civil nesse momento de pandemia.

“Eu fiquei impressionada com esse trabalho realizado com tanta dedicação e perfeição, e o amor que esse gesto de voluntariado transmite. Serão profissionais de saúde que estarão protegidos dessa enfermidade. Espero de coração que outras pessoas possam ajudar a criar uma rede voluntária na produção dessas máscaras e outros equipamentos de proteção individual”, enfatizou a primeira-dama do Estado.

A máscara-escudo é considerada um Equipamento de Proteção Individual (EPI) e segue o modelo padrão internacional. Ela é formada por duas peças: a placa de acetato transparente, que é a viseira, e uma “tiara” com pontos que serve de sustentação. O objetivo principal é proteger a região dos olhos.

Arquiteta Rosângela Dourado, doadora das máscaras-escudo Foto: Neto Lucena/Secom

Rosângela Dourado explicou que foi através das reportagens de pessoas que estavam ajudando com a confecção de máscaras-escudo e também de grupos em que participa, de outros estados, que a ideia surgiu.

“Tínhamos o material e junto com meus amigos resolvemos usar as máquinas 3D que temos em casa, para ajudarmos com essas máscaras, para protegermos aqueles que têm cuidado de tantas vidas. É uma pequena contribuição tendo em vista o pouco material, mas foi com muito amor para ajudar nesse momento tão difícil”, acentuou a arquiteta Rosângela Dourado.