Lei de incentivo à cultura diploma projetos do Vale do Juruá

Depois de receberem 61 bibliotecas, municípios do Vale do Juruá também são beneficiados com recursos para fomento à cultura

 

dsc00319___.jpg

Diplomação no Vale do Juruá beneficia 16 projetos culturais (Foto: FEM)

Dos 109 projetos aprovados este ano pela Lei Estadual de Inventivo à Cultura, 16 deles estão no Vale do Juruá. Os autores receberam nesta sexta-feira, 29, a diplomação, que garante os recursos para colocarem em prática as idéias apresentadas ao Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour (FEM).

Arte cênica, artes plásticas, audiovisual, música e artesanato são as áreas que serão incentivadas com os projetos. Ao todo o Vale do Juruá apresentou 56 propostas, os 16 aprovados representam um investimento de R$ 140 mil.

Segundo o presidente da FEM, Daniel Zen, foi realizado um balanço sobre a política e os investimentos na área de cultura realizados pelo Governo do Estado no Vale do Juruá. O resultado, ele garante, foi satisfatório, e só reforçou o compromisso do Governo com a região. Na última quinta-feira, 28, uma das ações de grande proporção foi oficializada. O projeto Arca das Letras, entregou 61 bibliotecas às comunidades do lugar.

A reabertura do Teatro Nawas, após uma reforma, também representa uma conquista. O governador Binho Marques, que vistoriou a obra, ressaltou que o espaço foi muito melhorado e contribuirá ainda mais com a cultura não só de Cruzeiro do Sul, mas de todo o Vale do Juruá. A otimização do teatro está sendo realizada. Daniel Zen conta que o porão do lugar, que se resumia a uma grande área vazia, de chão de terra batida, está sendo reformulado e será a sede do Pontão de Cultura Nawa.

Projetos criados em Rio Branco, como o Acústico em Som Maior, que dá espaço aos cantores da terra, também são mantidos em Cruzeiro do Sul. Convênios no carnaval, novenário de Nossa Senhora da Glória e Expoacre Juruá são firmados anualmente, reforçando o incentivo à cultura. Além do que Daniel chama de apoios diversos, muitos com passagens aéreas para apresentações de artistas em outros lugares, divulgação e sonorização de eventos. Ele diz que a intenção da FEM, é transformar o processo de contribuição com esses recursos diversos, para que eles sejam feitos através de editais. A proposta deve se concretizar no próximo ano. “Fizemos isso com o Salão de Artes Plásticas Hélio Melo e com o Acústico em Som Maior, em Cruzeiro do Sul e o resultado foi muito positivo”, comenta.

Daniel Zen também reforça o que foi dito pelo governador Binho Marques quanto ao compromisso do Governo do Estado em trabalhar cada vez mais no fomento à cultura, inclusive, com o aumento de recursos.

Idéia aceita – Um dos projetos beneficiados pela Lei de Incentivo à Cultura, no Vale do Juruá, é o Resgate Cultural, de autoria de Hélio Modesto de Oliveira Sampaio, mas quem realmente criou e inscreveu a proposta foi seu filho, Antonio Carlos Sampaio, 41.

Ele conta que o pai é uma referência na música regional no Vale do Juruá, mas sempre fez seu trabalho independente. Por isso, para garantir eventos em espaços diferenciados, em que a música deve ser levada como instrumento transformador, decidiu inscrever o projeto.

“Através de meu pai e outros músicos que agregaremos ao projeto, levaremos apresentações culturais em lugares como o Hospital dos Hansenianos, Lar dos Vicentinos, orfanato e outros, porque acreditamos que a música é transformadora e levará mais alegria a essa gente”, conta.

O projeto Resgate Cultural está orçado no valor de pouco mais de R$ 7 mil. É mais uma idéia que sai do papel e ganha voz, movimento e forma, através da Lei de Incentivo à Cultura do Estado do Acre.