Iconografia, a arte de informar

Na Grécia antiga, um mecanismo chamado “câmera obscura” foi testada pelo filósofo Aristóteles, que segundo relatos a usava para fazer observações astronômicas. Era também usada por pintores e desenhistas, que a usavam para projetar pinturas no interior de uma tenda grande, que ficavam de maneira invertida por meio do reflexo da imagem na parede.

Aproximadamente entre 1830 e 1840, os primeiros processos que podemos razoavelmente considerar como fotografia foram inventados por pelo menos três homens: Joseph Niépce, Louis Daguerre e William Talbot.

A primeira fotografia impressa ocorreu no século 19, mais precisamente em 1826. Foi nesse ano que o francês Niépce conseguiu gravar em uma placa de estanho a imagem do quintal de sua casa, na cidade de Borgonha, na França.

A fotografia é uma das bases para um bom texto, e de fundamental importância para o jornalismo. “Uma imagem vale mais do que mil palavras”. A frase explica bem esse conceito de fotojornalismo.

A partir de tal máxima, podemos afirmar que a fotografia tem sua importância nesse universo. Imaginem um bom texto sem uma imagem igualmente de excelência para ilustrá-lo! O fato é que a imagem comunica bem, somando como a cereja do bolo.

O mix entre texto e foto, com uma dose de sensibilidade e de arte, forma uma bela pintura. E da mistura de informar e contar uma história nasce o conceito de fotojornalismo. Assim como o jornalista trabalha com as palavras, o fotojornalista dá a notícia por meio das imagens e é o que venho fazendo desde que inciei nesta profissão.

Em 1998 quando comecei como estagiário em A Semana, em Rio Branco, descobri de fato o meu ofício de fotojornalista. Quando a gente faz com amor, o trabalho fica mais prazeroso.

Atuei em outros importantes veículos do Norte do Brasil, como A Gazeta, O Estado do Acre, O Rio Branco e A Crítica, sendo este último veículo um jornal do Amazonas. Atualmente, colaboro com agências nacionais e internacionais e sou sócio-fundador da agência Amazon Photo News, além de compor o quadro de jornalistas da Secretaria de Estado de Comunicação do Acre.

Nos dias atuais, as fotografias são bem diferente das que foram produzidas no passado. Lembro-me de quando fiz o curso no Senac, com o mestre José Branco, uma turma de uns 40 alunos, dos quais prosseguimos apenas eu e o Clériston Amorim, hoje cinegrafista da TV Gazeta.

Desde então, somei inúmeras atividades significativas no meu currículo, sempre em busca de me tornar boa referência no fotojornalismo. E é por isso que carrego a seguinte filosofia: estamos neste mundo para somar e dar o nosso melhor. Pois até aqui nos ajudou o Senhor, com muita fé e determinação para irmos avante.

 

Odair Leal é fotojornalista da Secretaria de Estado de Comunicação do Acre