Perigo

Hipertensão arterial: a inimiga silenciosa e mortal

Monitorar constantemente a pressão arterial é uma dica para evitar a doença (Foto: Júnior Aguiar)

Anualmente, quase trezentas mil pessoas morrem no Brasil em decorrência de doenças cardiovasculares, causadas em sua grande maioria pela hipertensão arterial, popularmente conhecida como pressão alta. A doença, atinge 30% da população adulta brasileira, 50% da população idosa e 54% das crianças e adolescentes no país.

É ela também a responsável por 40% dos infartos, 80% dos acidentes vasculares cerebrais (AVCs) e 25% dos casos de insuficiência renal terminal. Os dados são da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da Sociedade Brasileira de Hipertensão.

“As doenças cardiovasculares são responsáveis pelo maior número de mortes no Brasil. A pressão alta mata mais no país do que o câncer e a violência. A hipertensão arterial é uma doença democrática que não discrimina sexo, faixa social ou idade”, alerta a gerente da Divisão de Doenças Crônicas da Secretaria de Estado de Saúde, Jocelene Soares.

A pressão alta é grave, também, por ser uma “inimiga silenciosa”, pois muitas vezes o paciente não sente nada. As manifestações mais comuns a ela atribuídas, entre as quais dor de cabeça, dor na nunca, cansaço, tonturas e sangramento pelo nariz, podem não ter uma relação de causa e efeito com a elevação da pressão arterial.

A doença não tem cura. As graves consequências podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e se mantenham em tratamento.

“Em apenas 29% das consultas médicas no Brasil se faz a medição da pressão. Apenas 23% dos hipertensos controlam corretamente a doença, 36% não fazem controle algum e 41% abandonam o tratamento após melhora inicial da pressão arterial”, complementa Jocelene.

Em Rio Branco, 23% da população apresenta diagnóstico de hipertensão arterial, segundo dados da pesquisa por inquérito telefônico Vigitel 2016, do Ministério da Saúde (MS), o que equivale a 51.852 pessoas. O indicador aumenta com a idade e é maior entre as pessoas com menor escolaridade.

Fatores de risco e prevenção

Entre os principais fatores que podem levar à hipertensão estão o sobrepeso e a obesidade, a má alimentação (muito consumo de sal), o sedentarismo, o tabagismo e, em alguns casos, o fator hereditário (indivíduos com pais hipertensos têm 30% de chances de também ser hipertensos).

O governo do Estado investe continuamente em ações de prevenção e conscientização em todos os municípios, no intuito de alertar a população para a doença grave, silenciosa e que não tem cura, apenas controle.

Prática de atividades físicas é uma das prevenções ao aparecimento da hipertensão arterial (Foto: Leônidas Badaró)

“A prevenção é sempre a melhor forma de combater a doença. Um estilo de vida saudável, com a prática regular de atividades físicas e alimentação correta, é um excelente aliado na luta contra a pressão alta”, alerta a educadora física Ana Maria Alves, da Divisão de Prevenção e Promoção à Saúde da Sesacre.