Governo realiza mais um transplante de fígado na Fundhacre

O governo do Estado continua salvando vidas por meio da realização de transplantes de órgãos na Fundação Hospital Estadual do Acre (Fundhacre), em Rio Branco. Com o retorno dos procedimentos, ocorrido no início do ano, o programa já realizou o terceiro transplante hepático na unidade hospitalar.

Para viabilizar o processo de captação do órgão é necessário a integração de uma equipe multidisciplinar, incluindo profissionais da Central Estadual de Transplantes, equipe da Fundhacre, além de um grupo cirúrgico altamente especializado.

Governo do Estado continua salvando vidas por meio da realização de transplantes de órgãos na Fundhacre. Foto: cedida

Toda organização e logística para execução dos transplantes de fígado é um compromisso e cuidado do governo do Estado, que tem atuado de forma assídua, juntamente com as instituições de saúde e equipe do Transplante Hepático do Acre, coordenada pelo cirurgião Tércio Genzini.

O Serviço de Transplante Hepático foi credenciado em dezembro de 2013, sendo efetuado o primeiro procedimento em abril de 2014. Desde então, foram realizados 61 transplantes de fígado na Fundhacre.

Já foram realizados 61 transplantes de fígado na Fundhacre. Foto: cedida

O programa conta com ambulatório pré e pós transplante semanal, além do atendimento mensal do responsável técnico do serviço. Nos ambulatórios são avaliados todos os pacientes com indicação de transplante hepático e também é realizado o acompanhamento dos pacientes já transplantados.

“O andamento do Serviço de Transplante Hepático necessita do envolvimento e comprometimento de uma equipe multidisciplinar e para o sucesso do retorno e ampliação deste serviço foi determinante o empenho e compromisso do governo do Estado, por meio da Fundhacre”, destacou a coordenadora do transplante hepático, Valéria Monteiro.

Coordenadora do transplante hepático, Valéria Monteiro, juntamente com o transplantado Gomes. Foto: Gleison Luz

Terceiro transplante

Desde o retorno dos transplantes, suspenso em razão do período da pandemia de covid-19, que a Fundhacre vem se empenhando por meio do Serviço de Transplante Hepático da unidade, e foi na segunda-feira, 30, que ocorreu o terceiro procedimento desde o retorno do programa. O órgão, que chegou por volta das 16h, é proveniente de Campo Grande (MS).

O receptor, Antônio José Costa da Silva, 42 anos, natural de Cruzeiro do Sul, já aguardava na fila de espera por um fígado há mais de 2 anos. Portador de Cirrose Hepática por vírus da hepatite B, teve seu quadro agravado pela evolução de um Hepatocarcinoma.

Procedimento é realizado na Fundhacre. Foto: cedida

O paciente internou aos cuidados assistenciais da equipe da Fundhacre, nas primeiras horas da manhã do dia 30. A cirurgia, que ocorreu sem intercorrências, teve início por volta das 16h e durou em torno de sete horas, com término por volta das 23h.

Após alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), na quinta-feira, 2, Antônio José participou de uma missa na Capela Divina Misericórdia do hospital.

Pacientes transplantados participando da Missa na Capela Divina Misericórdia. Foto: Gleison Luz

“Eu recordei o quanto foi difícil no dia que comecei a ficar sem forças, depois foi piorando ainda mais com desmaios, inclusive vomitava sangue. Diante de tudo isso, veio a misericórdia de Deus na minha vida, quando recebi a notícia que ia ser transplantado. Tenho muita gratidão a todos. Aqui tomo meu remédio na hora certa e tenho atendimento de qualidade. Agradeço aos médicos e a toda a equipe”, disse Antônio José.

“Tenho muita gratidão a todos. Aqui tomo meu remédio na hora certa e tenho atendimento de qualidade. Agradeço aos médicos e a toda a  equipe”, disse Antônio José. Foto: Gleison Luz

Gomes Silva de Souza Campos, 20 anos, portador de cirrose hepática por álcool, procedente de Boca do Acre (AM), foi o segundo a ser transplantado. O paciente teve alta da UTI no dia 30 de maio e foi para casa no dia 3 de junho.

Gomes Silva de Souza Campos, 20 anos, portador de cirrose hepática por álcool. Foto: Gleison Luz

Cheguei aqui no estado muito abatido. Eu deitava e sentia muita dor no estômago. Eu vim em busca do tratamento. O sentimento é de alegria, por ter recebido um fígado novo. Agradeço a equipe do hospital”, frisou Gomes.

A mãe do transplantado Gomes,  Alcirene de Souza, relata quando houve a preocupação em ver que o filho não aparentava estar bem. Foi quando decidiu procurar por atendimento.

Hoje, vê-lo bem me traz paz e felicidade”, ressaltou a mãe do paciente Gomes. Foto: Gleison Luz

Ele fez uns exames em Boca do Acre, e vi que meu filho não estava bem, estava com os olhos amarelos. Viemos para Rio Branco e fizemos uns exames, quando ele foi diagnosticado com cirrose hepática. Hoje, vê-lo bem me traz paz e felicidade. Agradeço ao governo e a toda a equipe que ajudou meu filho nesse momento”, ressaltou a mãe.

Transplantados, após a missa na Capela Divina Misericórdia, na Fundhacre. Foto: Gleison Luz

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest