gestão de riscos

Governo realiza evento online com previsões de inundações no Acre em 2020 e 2021

O governo do Estado do Acre, por meio da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais (Cegdra), realizou um evento online com as previsões para o inverno amazônico. Com o tema “Pré-cheia Acre 2020/2021: preparação, prevenção e resposta a futuras inundações no Estado do Acre”, o evento pode ser acessado no canal YouTube da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) por meio do link: https://youtu.be/z9CR_D7-w80.

Pesquisadores do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) divulgaram as informações e padrões meteorológicos analisados especificamente para o Acre e para a bacia do Rio Madeira.

A diretora executiva da Sema, Vera Reis Brown, e o coordenador estadual da Defesa Civil, tenente-coronel Eudemir Bezerra, representaram a Cegdra na discussão. “A participação dos pesquisadores nesse processo de consolidação das informações oriundas das pesquisas e previsões é fundamental para a preparação dos gestores e da sociedade de modo geral”, disse Vera Reis, moderadora da discussão.

A diretora executiva da Sema, Vera Reis Brown, e o coordenador estadual da Defesa Civil, tenente-coronel Eudemir Bezerra, representaram a Cegdra na discussão. Foto Assessoria Sema

Para Eudemir Bezerra, o evento consolida informações cruciais para a tomada de decisão por parte do governo: “Vamos levar ao conhecimento do governador Gladson Cameli todas estas informações, para desenvolver um plano que melhor atenda às necessidades da população”.

Os palestrantes convidados foram Márcio Augusto de Moraes, do Cemaden; Herculys Castro, do CPRM; e o meteorologista Luiz Alves Neto, do Censipam.

De acordo com o meteorologista Luiz Alves, são esperadas chuvas acima da média em todo o Acre nos meses de novembro e dezembro de 2020 e janeiro de 2021. “O mês de outubro fechou com chuvas abaixo da média, mas o La Niña em evolução no Oceano Pacífico começa a influenciar o clima no Brasil”.

Luiz lembrou ainda que os rios Acre, Tarauacá e Juruá têm seus máximos níveis preferencialmente nos meses de fevereiro e março. “No Tarauacá e Juruá, o pico da cheia é antecipado em anos de La Niña e atrasado em anos de El Niño. Com o Rio Acre ocorre o inverso”, explicou.

Márcio Augusto Moraes falou sobre a possibilidade de inundações em Sena Madureira entre os dias 10 e 14 de dezembro, e disse que Rio Branco tem baixa probabilidade de inundações nesse período. “É importante lembrar que estamos falando em previsões, que são analisadas de acordo com modelos que podem sofrer alterações, especialmente em função do comportamento das chuvas”.

Já Herculys Castro explicou como se dá o monitoramento da Rede Hidrometeorológica Nacional (RHN) e falou sobre os Sistemas de Alerta Hidrológicos. “Como o próprio Censipam colocou, para a Bacia do Rio Acre nós temos uma tendência de cotas maiores do que as cotas de inundação, o que indica que 2021 será um ano bem trabalhoso na operação dos Sistemas de Alerta”.

Aplicativo

O desenvolvedor do aplicativo Guardiões da Amazônia, José Mário Miranda, também apresentou uma proposta de ampliação do uso da plataforma para lançar alertas de inundação no período do inverno. O Guardiões da Amazônia é uma iniciativa do Exército brasileiro para otimizar o processo de denúncias contra crimes ambientais. A tecnologia foi utilizada nas ações de combate a queimadas e incêndios florestais.