Governo inaugura ponte do Caeté e reabre a BR-364 até Cruzeiro do Sul

"Nenhum desafio será tão grande que o povo acreano não possa superar", diz Binho Marques

ponte_do_caete_e_reabertura_foto_sergio__vale_10.jpg
ponte_do_caete_e_reabertura_foto_sergio__vale_12.jpg
ponte_do_caete_e_reabertura_foto_sergio__vale_16.jpg
ponte_do_caete_e_reabertura_foto_sergio__vale_20.jpg
erivaldo_leite.jpg
ponte_do_caete_e_reabertura_foto_sergio__vale_11.jpg
ponte_do_caete_e_reabertura_foto_sergio__vale_15.jpg

O governador Binho Marques inaugurou hoje, a ponte sobre o Rio Caeté, ocasião em que declarou aberta ao tráfego a BR-364 desde Sena Madureira até Cruzeiro do Sul. A ponte foi construída em 210 dias, em pleno inverno amazônico, ao custo de mais  de R$ 10 milhões. Moradores das comunidades ribeirinhas e da estrada, vereadores e prefeitos  de Sena Madureira e Manuel Urbano, deputados estaduais e federais, além de várias autoridades, participaram da cerimônia.

Ter antecipado e agilizado a construção da ponte reduz consideravelmente as dificuldades de reabertura da estrada e se constituiu em mais um desafio superado. "Nenhum outro desafio será tão grande que não possa ser superado pelo povo do Acre", disse o governador. A obra foi realizada pela Construtora Cidade.

O lote A, com cerca de 34 quilômetros,  está sob a  responsabilidade da construtora Camter, terá 70% da terraplanagem e 100% dos bueiros prontos até o fim deste ano. Em seu canteiro mantém atualmente 160 trabalhadores efetivos e outros 140 colaboradores diretos e indiretos.

A ponte sobre o Caeté é a maior de todas no trecho, com 210 metros, e foi construída mesmo sob as intensas chuvas do inverno amazônico. No total, será cerca de um quilômetro de pontes sobre dez rios e igarapés. O lote A contempla a ponte sobre o Rio Caeté e duas pontes no acesso a Manuel Urbano. No lote B serão duas pontes sobre os rios Macapá e Juritipari. O asfaltamento da BR-364 no trecho entre Sena Madureira e Feijó, num total de 227 quilômetros, é a última etapa para a interligação de Rio Branco com o Vale do Juruá. As obras estão divididas em seis lotes e serão concluídas em 2010 ao custo de mais de R$ 500 milhões. Os recursos são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Seis empresas – Canter, JM, Fidens, Construmil, Construtora Cidade e Etam – foram as vencedoras da licitação realizada este ano. São oito lotes no total, sendo seis para construção da rodovia e dois para implantação de pontes. "Estamos na última etapa para concluir a ligação de Rio Branco ao Vale do Juruá. Todos os canteiros estão montados e as obras seguem num ritmo bom", afirmou o diretor-presidente do Departamento de Estradas de Rodagem (Deracre), Marcos Alexandre.

Para o prefeito de Manuel Urbano, Manoel Almeida, a ponte irá beneficiar uma ampla região. "É impressionante o que a gente vê nesta estrada. A ponte é em Sena, mas vai beneficiar muito nosso município", afirmou o prefeito. "Acabou-se o tempo da enganação. Muita gente se elegeu prometendo construir essa ponte, mas agora a vemos como resultado concreto", completou o prefeito de Sena Madureira, Nilson Areal.

O camioneiro Erivaldo Nascimento Leite foi o primeiro a passar pela ponte. "Esta estrada é boa para todos nós", disse. 

Moradores

Estrada é reaberta pelo décimo ano consecutivo

A BR-364 está sendo reaberta pelo décimo ano e, em 2008, são as empreiteiras contratadas pelo governo do Estado as responsáveis pelas obras que garantem o tráfego desde Sena Madureira até Feijó. O Deracre mantém intensa fiscalização para assegurar o padrão de qualidade dos anos anteriores. As sucessivas obras de reabertura possibilitaram que este ano o trabalho fosse mais rápido e com meno complexidade.

O motorista Gilson Tagina, que aguardava desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira a liberação da rodovia, avalia que a reabertura abre uma nova perspectiva de negócios na região. "É mais uma oportunidade de trabalho e renda", disse.

Em 2007, o fluxo de veículos na BR enquanto esteve aberta ao tráfego foi 60% superior ao mesmo período do ano anterior.

 

Antigos moradores comemoram "sonho realizado"

A ponte e a estrada,  segundo Raimundo Sales, antigo morador da região, influenciam de modo positivo a vida de pelo menos 300 famílias da região do Caeté e seus tributários. "Uma ponte como esta, assim como a estrada, é um sonho para quem, como eu, nasceu aqui", disse Sales, ex-deputado estadual.

Vicente Freire, morador da comunidade dos Baianos, também utilizou a palavra "sonho" para expressar a alegria de ver a ponte construída e a estrada com obras em pleno andamento. "Estamos vendo um sonho concretizado", disse Freire. Líder comunitário, anos passados ele esteve em Brasília reivindicando a construção da ponte sobre o Caeté e o asfaltamento da BR-364, mas nada foi feito. "Foram 23 anos de sofrimento e agora estamos aqui podendo ver as coisas acontecendo".

O QUE ELES DISSERAM

 

{xtypo_quote}"O nome desta ponte poderia ser Ponte da Esperança. É uma obra que deve servir de modelo para a construção de pontes na Amazônia."

Luiz Tchê, deputado estadual{/xtypo_quote}

 

{xtypo_quote}"Este mês de junho é o mês do abraço, mês em que as pessoas se reencontram porque é quando a estrada é reaberta."

Perpétua Almeida, deputada federal{/xtypo_quote}

 

{xtypo_quote}"Nossos municípios estão mais felizes e melhores porque as pessoas viajam e os alimentos ficam mais baratos."

Juarez Leitão, deputado estadual{/xtypo_quote}

 

{xtypo_quote}"O significado dessa estrada é mais qualidade de vida não só para o Vale do Envira e Tarauacá, como para todo o Estado."

Walter Prado, deputado estadual{/xtypo_quote}