empoderamento

Governo do Acre reforça políticas públicas durante 68ª Comissão sobre a Situação da Mulher

Acelerar a conquista da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas, enfrentando a pobreza e fortalecendo as instituições e o financiamento com uma perspectiva de gênero. Este foi o tema central da 68ª Comissão sobre a Situação da Mulher (CSW), que teve início nesta segunda-feira, 11, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, e reuniu diversas lideranças mundiais. O governo do Acre integrou o evento, por meio da secretária de Estado da Mulher, Márdhia El-Shawwa Pereira, que esteve no local até a última quinta-feira, 14, a convite da ministra das Mulheres, Cida Gonçalves.

Márdhia El-Shawwa, secretária da Mulher, participou do evento a convite do Ministério das Mulheres. Foto: Rafaela Barbosa/Semulher

A 68ª sessão da CSW segue até o dia 22 de março, e El-Shawwa Pereira integrou a delegação brasileira, ladeada pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves; pela socióloga e primeira-dama, Janja Lula da Silva; por integrantes do Movimento Me Too; e pela representante da ONU Mulheres da América Latina e Caribe, Michele Silva. Ao longo do evento, a secretária da Mulher esteve em agendas com o Ministério das Mulheres e com o Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional.

Márdhia El-Shawwa reiterou a importância da presença do governo no evento. “Tivemos a oportunidade de conhecer ações mundiais e praticá-las no nosso estado com o intuito de reafirmar o compromisso do nosso governo com as políticas públicas para as mulheres”, disse.

Segundo a El-Shawwa Pereira, o primeiro dia contou com discursos da ministra Cida Gonçalves em dois momentos: um como representante da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), e outro do governo do Brasil. “Nos dois pronunciamentos, a ministra [Cida Gonçalves] reforçou a necessidade do fortalecimento das instituições para a promoção da igualdade de gênero, o combate à pobreza e à violência, e a participação das mulheres na prevenção, negociação e resolução de conflitos”.

Na terça-feira, 12, a comitiva brasileira debateu temas que incluíam a articulação de ministras da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, e a mesa temática de financiamento sobre igualdade de gênero e o empoderamento de todas as meninas e mulheres; já na quarta-feira, 13, a delegação participou do Painel Ministerial, na sede da ONU. “Na ocasião, participamos do painel Alianças Intersetoriais para promover a Igualdade de Gênero e os Direitos das Mulheres, promovido pela Comissão Interamericana de Mulheres (CIM), da Organização dos Estados Americanos (OEA), e o governo do Canadá”, explicou. Além disso, na tarde do mesmo dia, Márdhia participou da palestra “‘Estratégias para o Empoderamento Econômico da Mulher Negra’, do Instituto da Mulher Negra (Geledés), proferida pela ministra Cida Gonçalves, em paralelo à 68ª CSW.

Márdhia El-Shawwa Pereira integrou a comitiva brasileiraMárdhia El-Shawwa Pereira, secretária da Mulher, esteve no evento até o dia 14. Foto: Rafaela Barbosa/Semulher

Já no último dia em que esteve presente no evento, na quinta-feira, 14, a secretária participou da atividade em que o Brasil assumiu a presidência do grupo informal de Representantes Permanentes de Missões Junto à ONU da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. “E, no período da tarde, na sede da ONU, o Ministério das Mulheres organizou um evento paralelo no âmbito da CSW, “com o objetivo principal de promover o debate sobre “Caminhos para igualdade de gênero – Políticas de Cuidado e Igualdade Salarial”, seguido pelo evento “Pacto Global da ONU – Substantivo Feminino”, finalizou.

68ª CSW

Criada em 1946, a Comissão sobre a Situação da Mulher (CSW) é a primeira instância da Organização das Nações Unidas (ONU) dedicada exclusivamente a promover a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres em todo o planeta.

O evento – celebrado sempre em março – é o segundo mais significativo em Nova York, após a sessão inaugural da Assembleia Geral da ONU. A CSW congrega mais de 10 mil representantes de Estados-membros, entidades da ONU e ONGs credenciadas, focando na deliberação de temas críticos para os direitos das mulheres e a igualdade de gênero.