viveiro da floresta

Governo avança na recuperação de áreas degradadas do Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório

Mais de 60 mil mudas de açaí, banana e espécies florestais foram enviadas pelo Viveiro da Floresta para implementação do Programa de Regularização Ambiental (PRA)

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e das Políticas Indígenas (Semapi), continua avançando na implementação do Programa de Regularização Ambiental (PRA) e iniciou o plantio de mudas nas áreas de moradores concessionários que aderiram ao programa dentro do Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório (Cferg), localizado entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul.

Na manhã desta quarta-feira, 23, a equipe do Viveiro do Cferg, localizado na Unidade de Gestão Integrada (Ugai) do Liberdade, recebeu as mudas e os insumos necessários para iniciar o plantio. Foram enviadas mais de 60 mil mudas de açaí, banana e espécies florestais pelo Viveiro da Floresta. “É um apoio significativo porque, além das mudas, os moradores receberão orientação da equipe, com assistência técnica e informações precisas sobre como e o que plantar em cada área”, explicou o secretário do Meio Ambiente, Israel Milani.

A equipe do Viveiro do Cferg, localizado na Unidade de Gestão Integrada (Ugai) do Liberdade, recebeu as mudas e os insumos necessários para iniciar o plantio. Foto: cedida

O trabalho dos técnicos em campo vem sendo orientado pelo Catálogo de Sistemas Agroflorestais indicados para o Acre, um material elaborado pela Semapi, com apoio da Cooperação Alemã (GIZ).

O coordenador de Projetos Especiais da Semapi, André Pellicciotti, está em campo para acompanhar a etapa de distribuição e plantio das mudas: “É um trabalho contínuo e que exige essa atenção. Agora vamos acompanhar e orientar as formações dos SAFs em cada propriedade”.

O coordenador de Projetos Especiais da Semapi, André Pellicciotti, está em campo para acompanhar a etapa de distribuição e plantio das mudas. Foto: cedida

A atividade dentro do Cferg é custeada com recursos oriundos do Programa REM Acre Fase II. A parceria é fruto de cooperação financeira entre os governos do Acre, da Alemanha e Reino Unido, para implementação de projetos voltados para conservação das florestas e cuidados de suas populações. A sigla REM significa REDD Early Movers, em português REDD+ para pioneiros.

A atividade dentro do Cferg é custeada com recursos oriundos do Programa REM Acre Fase II. Foto: cedida

Com o Programa REM, estão sendo contemplados lotes de concessionários dentro do Cferg, nos municípios de Tarauacá e Cruzeiro do Sul, mas a iniciativa apoia o PRA em lotes localizados nos municípios de Acrelândia, Capixaba, Plácido de Castro e Senador Guiomard.

O projeto visa, no âmbito da implementação do Código Florestal e do PRA, investir no fomento de recomposição ambiental com sistemas agroflorestais, nas áreas que apresentam os maiores percentuais de supressão ilegal de vegetação nativa e em áreas de passivo ambiental localizadas nas unidades de conservação estaduais de uso sustentável.

Viveiro da Floresta

Está prevista a produção de 500 mil mudas anualmente. No entanto, para o ano de 2021 foram produzidas 700 mil mudas frutíferas e florestais, uma variedade de 22 espécies, distribuídas em quatro modelos de sistemas agroflorestais (SAFs). A chefe do Departamento de Silvicultura da Semapi, Tayna Nery, informou que o viveiro está preparado para apoiar as ações do PRA no Acre.

Saiba mais

O PRA é um instrumento legal previsto no Código Florestal Brasileiro e cada estado da federação deve elaborar as próprias normativas para implantação e execução do programa. No Acre, o PRA adota modelos de sistemas agroflorestais elaborados pela equipe técnica da Semapi, que proporcionam a recuperação de áreas alteradas e degradadas com incremento e diversificação da produção.