cadeias

Governo avança na implantação do Plano de Agronegócio do Acre para uma década

O governo do Acre tem investido esforços de todo o seu setor produtivo para, com parceiros, criar o Plano de Agronegócio 2021/2030, com o objetivo de nortear as políticas públicas do Estado para os próximos dez anos, além de auxiliar investidores sobre os melhores potenciais para o agronegócio em todos os municípios.

Plano tem objetivo de incrementar o PIB do Acre 10% em uma década. Foto: Sergio Ronney/Secom

Na manhã desta quinta-feira, 14, governo e parceiros se reuniram no auditório da Secretaria de Produção e Agronegócio (Sepa) para discutir detalhes do plano. Já foram realizados estudos de aptidão dos solos, logística, culturas da agricultura e a implantação de agroindústrias, para agregar valor e gerar mais renda com produtos finais.

Segundo o secretário de Produção e Agronegócio, Edivan Azevedo, a agricultura é um planejamento a longo prazo, por isso a necessidade de um plano capaz de abranger uma década de investimentos.

Ao todo, existem 15 cadeias produtivas para serem trabalhadas no plano, sendo cinco da pecuária (leite, suínos, aves, mel e peixes) e o restante dividido na agricultura, entre culturas temporárias (soja, milho, arroz, feijão e mandioca) e permanentes (café, cacau e frutíferas).

A ideia ainda é disponibilizar um site na internet com todo o plano aplicado de forma interativa, com um mapa onde será registrado cada município com suas principais cadeias produtivas, para que fique mais fácil decidir onde investir e identificar potencialidades.

Entidades parcerias estiveram reunidas para acertar detalhes do plano. Foto: Sergio Ronney/Secom

“Esse é um plano para que as políticas públicas do Estado possam ser melhor direcionadas, também como instrumento para que o empreendedor rural possa escolher sua atividade de acordo com o mapeamento. O PIB do Acre gira em torno de R$ 14 bilhões por ano e a agricultura no setor primário contribui com cerca de 13%. O que nós queremos é que esse setor passe a contribuir com um aumento de 1% no PIB por ano, ao longo de uma década, para assim incrementar em 10%”, conta Edivan Azevedo.

O Plano de Agronegócio 2021/2030 tem sido feito a várias mãos. Além da Sepa, o projeto conta com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Companhia de Armazéns Gerais e Entreposto do Acre (Cageacre), Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), Secretaria de Meio Ambiente (Sema) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) como maior parceiro. O lançamento da versão final deve ser realizado em cerca de 45 dias.

O chefe-geral da Embrapa no Acre, Eufran Amaral, esteve presente ao encontro e destacou: “Temos uma linha de trabalho que é o apoio à construção de políticas públicas. A gente trabalha desde a construção dessa política, até implantação e avaliação. Temos um acordo de cooperação com a Sepa e vamos ajudar o plano, que de fato é um avanço junto ao plano de governo a partir de uma base de conhecimentos que já existe após anos de estudos dos órgãos envolvidos”.