Gerência de riscos: mais qualidade na saúde

Serviço funciona hoje na Fundhacre para monitorar e verificar a qualidade e o funcionamento de medicamentos e produtos médico-hospitalares

Com o objetivo de ampliar e sistematizar a vigilância sobre os produtos utilizados nos serviços de saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa-, criou há oito anos a  Rede Sentinela para garantir que apenas os melhores produtos estejam em circulação no Brasil e, também, melhor qualidade dos serviços para pacientes e profissionais da saúde. Em todo o país, 100 hospitais ingressaram nessa rede, entre eles a Fundação Hospital do Acre – Fundhacre, por meio da Gerência de Riscos.

O gerenciamento de riscos na Fundhacre existe para monitorar e verificar a qualidade e o funcionamento de medicamentos e produtos médico-hospitalares. Qualquer profissional de saúde, especialmente os que trabalham diretamente com os pacientes (médicos, enfermeiros, entre outros), deve notificar à gerência qualquer mau funcionamento ou anormalidade nos produtos utilizados, como coloração estranha nos medicamentos, irregularidades e falsificações nos rótulos das embalagens, equipamentos que não funcionam, reações estranhas no paciente quando submetido a medicamento ou após uma transfusão de sangue. Uma vez notificada e confirmada a irregularidade no produto, a gerência de riscos informa a Anvisa, colaborando para regulamentar os produtos em circulação no mercado nacional.

Segundo a coordenadora da Gerência de Riscos da Fundhacre, Darlene Oliveira, esse monitoramento é de grande importância tanto para o paciente como para o Estado, pois garante medicamentos e equipamentos de qualidade. Porém, para que haja um efetivo funcionamento da gerência, deve haver a participação de todos os profissionais de saúde.

"Os profissionais do Centro de Cirurgias da Fundhacre estão de parabéns, pois sempre colaboram com o trabalho da gerência, por isso, para que tenhamos mais resultados, devemos divulgar esse serviço, principalmente para os médicos e estudantes de medicina, uma vez que muitos não conhecem o serviço da gerência de riscos, e muito menos sabem que funciona aqui na fundação", argumenta Darlene.

De acordo com a coordenadora, além de monitorar, a gerência também vem oferecendo, durante esses oito anos, várias capacitações aos trabalhadores do setor de saúde, abrangendo do servente ao médico em residência. "Já foram mais de sete mil profissionais capacitados em todo o estado. Atualmente, essa capacitação está sendo oferecida através de videoaulas online, exibidas pelo Hospital Sírio Libanês de São Paulo, com profissionais conceituados de toda a América Latina", garante.

O vídeo aulas acontece toda terça- feira das 11 às 12 horas (horário de São Paulo).

 

Áreas de atuação

Pelo fato de fazer o monitoramento de todos e qualquer produto que possa interferir na saúde do paciente, a Gerência de Riscos tem um vasto campo de atuação envolvendo desde os medicamentos até produtos de limpeza. Assim divide-se esse monitoramente em diversas áreas, cujas principais são:

Fármacovigilância: monitora a qualidade e os efeitos causados pelo uso de medicamentos.

Tecnovigilância: monitora os equipamentos medico hospitalares (seringas, luvas, gazes, etc.)

Hemovigilância: monitora efeitos anormais, imediatos e tardios, em pacientes após a transfusão de sangue.