plano de ação

Fórum Estadual de Educação define posicionamento em relação às aulas presenciais

A reunião extraordinária do Fórum Estadual de Educação foi realizada na tarde desta segunda-feira, 3, no auditório da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE). O principal objetivo foi discutir estratégias de retomada das aulas presenciais nas escolas da rede estadual de ensino.

Realizado tanto de modo presencial, respeitando as medidas de distanciamento, quanto de forma online, o evento contou com a presença de representantes da Secretaria Estadual de Saúde, Prefeitura de Rio Branco, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Unime), Conselho Estadual de Educação (CEE), sindicatos, Colegiado de Diretores de Escolas Públicas (Codep), Ministério Público do Estado, Tribunal de Contas e outras instituições.

Foi quase consenso na reunião de que não será possível o retorno das aulas presenciais no mês de setembro, como especialistas supunham há alguns meses que seria um período em que o avanço da doença já estaria controlado.

Secretário Mauro Sérgio Cruz na abertura da reunião do Fórum Estadual de Educação. Foto: Mardilson Gomes/ Asscom SEE

“Todos nós, como entidades representativas da Educação, precisávamos avaliar conjuntamente a possibilidade de retomada das aulas presencias, ouvindo também os setores da Saúde, Ministério Público e órgãos reguladores, para que com isso possamos oferecer estratégias o mais eficazes possível e uma estrutura segura para os nossos alunos”, pontuou o secretário de Educação e presidente do Fórum, Mauro Sérgio Cruz.

O debate fez parte do plano de ação de retomada das aulas presencias, elaborado pela SEE, que segue sendo executado por etapas. De acordo com a diretora de Ensino, Denise dos Santos, “a primeira etapa do plano consistiu numa consulta à comunidade escolar por meio de questionário e agora a reunião do fórum, que, além de socializar o posicionamento das instituições, teve por objetivo esclarecer as medidas que a secretaria vem adotando para minimizar os impactos causado pela pandemia na educação”, relatou.

“O setor da educação é um dos mais complexos”, médico Osvaldo Leal durante exposição da situação da pandemia no estado para os presentes. Foto: Mardilson Gomes/ Asscom SEE

Como convidado, o médico Osvaldo Leal, representante do Comitê Municipal de Enfrentamento e Monitoramento de Emergência para Infecção Humana pelo Novo Coronavírus, esclareceu sobre o atual cenário da pandemia no estado. “O setor da educação é um dos mais complexos, pois exige o máximo cuidado, tanto com os servidores quanto com os estudantes, com isso nós temos que examinar essa situação de acordo com as políticas de avaliação da secretaria estadual de saúde”, esclareceu.

Foram discutidas, por exemplo, as estratégias de adesão do ensino híbrido, que consiste na participação de 50% dos alunos de forma presencial e 50% a distância, além do cuidado com a segurança dos servidores que fazem parte do grupo de risco.

Conclusões do Fórum serão apresentadas ao Comitê de de combate à Covid-19. Foto: Mardilson Gomes / Asscom SEE

Ainda na reunião, o secretário Mauro Sérgio Cruz, antecipou novas medidas que serão tomadas para reforçar as atividades não presenciais. “Além de novas ações para capacitar nossos professores, vamos buscar facilitar o acesso de estudantes a aulas online e disponibilizar mais uma ferramenta por meio de uma parceria que está sendo firmada com a plataforma Google Classroom”, destacou.

Encaminhamentos do Fórum

Finalizados os posicionamentos dos representantes das instituições que compõem o Fórum Estadual de Educação, foram apresentados e colocados em votação os principais destaques da reunião. A maioria do colegiado definiu que:

1) Não deve haver retorno das aulas presenciais na rede pública de ensino até que a pandemia da Covid-19 esteja controlada no estado.

2) A SEE continuará fazendo levantamento das necessidades de adaptação na infraestrutura das escolas para atender às medidas de segurança sanitárias.

3) A SEE, em conjunto com as escolas, irá aperfeiçoar as ações de ensino não presencial já implementadas, bem como as de verificação da aprendizagem, além de buscar alternativas para oferecer maior suporte aos professores e alunos, especialmente em relação ao acesso à internet e recursos tecnológicos.

4) A SEE irá elaborar e discutir, junto ao Conselho Estadual de Educação, um plano diferenciado para o ensino nas séries de transição de etapas (5° e 9° ano do ensino fundamental e 3ª série do ensino médio).

5) Será formado um grupo de trabalho com algumas instituições do fórum para estudar a proposta de plano de retomada das aulas presenciais pré-elaborado pela SEE a ser executado quando o retorno for autorizado.

Os encaminhamentos serão registrados em ata e consolidados em documento a ser encaminhado ao Comitê de Combate à Covid-19 do governo do Estado para análise e decisão final.