vigilância

Estado implanta Unidade Sentinela para Síndromes Respiratórias na UPA do Segundo Distrito

Febre, coriza, garganta doendo ou tosse são sintomas de gripe comum e também da covid-19. Um instrumento fundamental na localização e contenção de vírus, a Unidade Sentinela, método de vigilância e reconhecido pelo Ministério da Saúde, monitora a circulação de vírus em uma pesquisa de vírus respiratórios.

O governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde do Acre, implantou nesta segunda-feira, 19, uma Unidade Sentinela para Síndromes Respiratórias na UPA do Segundo Distrito, em Rio Branco, com atendimento 24 horas.

Unidade Sentinela para Síndromes Respiratórias na UPA do Segundo Distrito, em Rio Branco, terá atendimento 24 horas. Foto: Odair Leal/Sesacre

A unidade fará o monitoramento das síndromes, avaliando a circulação do vírus no Baixo Acre por meio de amostragem. Esta unidade será responsável pela coleta de material para análise laboratorial em pessoas que buscam atendimento de saúde com sintomas respiratórios.

De acordo com secretário de Estado, Pedro Pascoal, com esse setor será possível uma pesquisa de vírus respiratório realizada com amostras de secreção respiratória enviadas pela Unidade Sentinela.

Secretário de Estado de Saúde, Pedro Pascoal. Foto: Odair Leal/Sesacre

“Os exames irão incluir a verificação de alguns diferentes vírus, entre eles o da influenza A e B, vírus sincicial e covid-19. Com esse painel em cada amostra, serão gerados os resultados que apontarão onde há vírus circulante, se é possível identificar o contágio e tendências que desencadearão ações e campanhas de vacinação”, explicou o secretário.

Edvan Meneses, coordenador do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes). Foto: Odair Leal/Sesacre

Edvan Meneses, coordenador do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes), destacou que o Departamento de Vigilância Epidemiológica Hospitalar ficará responsável pela unidade. As amostras colhidas semanalmente serão enviadas para o Ministério da Saúde. Só serão atendidos nesta unidade os pacientes classificados como azul e verde, que são os casos de síndrome gripal.

“Teremos uma equipe da vigilância hospitalar que ficará diretamente nesta unidade, e o atendimento será no sistema de triagem rápida, chamada, fast track (fluxo rápido). Agora cada regional terá a sua Unidade Sentinela, o que facilitará a nossa avaliação em todo o estado”, evidenciou o coordenador do Coes.