Estado do Acre, 53 anos: as faces da autonomia – artigo

 

File Name : DSC_0138.JPG File Size : 3.4MB (3595310 Bytes) Date Taken : 2008/03/18 15:49:30 Image Size : 3872 x 2592 pixels Resolution : 300 x 300 dpi Bit Depth : 8 bits/channel Protection Attribute : Off Hide Attribute : Off Camera ID : N/A Camera : NIKON D200 Quality Mode : N/A Metering Mode : Spot Exposure Mode : Manual Speed Light : No Focal Length : 180 mm Shutter Speed : 1/125 second Aperture : F5.0 Exposure Compensation : 0 EV White Balance : N/A Lens : N/A Flash Sync Mode : N/A Exposure Difference : N/A Flexible Program : N/A Sensitivity : N/A Sharpening : N/A Image Type : Color Color Mode : N/A Hue Adjustment : N/A Saturation Control : N/A Tone Compensation : N/A Latitude(GPS) : N/A Longitude(GPS) : N/A Altitude(GPS) : N/A
A educação tem obtido pontuações cada vez mais elevadas (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Autonomia é palavra bonita, auspiciosa. Remete a movimento próprio, capacidade de se governar, independência. Coisa de gente grande.

O conceito é belo sim. E desejável. Mas que trabalho dá! É sempre resultado de um processo que demanda, antes de tudo, a clareza e a humildade de se admitir pequeno, carente, dependente. Demanda também o esforço de ir buscar, onde e como puder, o recurso de que se necessita.

E demanda, permanentemente, assumir a responsabilidade pela condução do seu crescimento. Assim tem sido a história deste estado: uma longa e emocionante luta pela sobrevivência e desenvolvimento.

Movido por esse anseio, emergiu o Movimento Autonomista, com a criação do Território do Acre, em 1903. Sem poder eleger seus governantes e sem poder usufruir benefícios decorrentes dos impostos aqui coletados durante o ciclo da borracha, os acreanos se viam submetidos política e economicamente à União.

E por isso fizeram, no início do século, a Revolta dos Cem Dias, a Revolta de Sena Madureira e a Revolta de Rio Branco. Em 1946, ainda território, o Acre recebe seu novo governador, o mineiro José Guiomard dos Santos, cuja gestão trouxe transformações econômicas, sociais e culturais.

Apoiado por muitos outros autonomistas, como deputado federal apresentou, no Congresso Nacional, um projeto de lei elevando o Acre de território federal a estado, medida concretizada em 1962.

Desse modo, logo houve a primeira eleição direta, em que o povo escolheu José Augusto de Araújo para governador. O professor de filosofia tinha ideais avançados: promoveu a reforma agrária e era entusiasta do método Paulo Freire, com o qual promovia a conscientização da classe dos trabalhadores. Em 1964, com o Golpe Militar, o capitão do Exército Edgard Cerqueira tomou o Palácio Rio Branco, obrigou José Augusto a renunciar e assumiu o governo.

Nos anos 60 e 70, o governo federal incentivava a ocupação da Amazônia. No Acre, foram surgindo conflitos entre os povos que viviam do extrativismo e os fazendeiros que vinham de fora, os chamados “paulistas”.

Nesse momento começou a se destacar o líder Chico Mendes, figura forjada na luta sindical dos seringueiros, cujo ideal, gradativamente, rumou para uma questão ainda mais abrangente, a ambiental.

O Acre atravessava grave crise econômica e social. Mas o seu povo era o mesmo: inconformado e aguerrido. Assim surgiu, em 1977, sob a liderança dos jornalistas Elson Martins e Silvio Martinello, o jornal Varadouro, que, com reuniões de pauta abertas à população, tornou-se referência no estado e fora dele. Chegou até mesmo a receber, na época, congratulações do cartunista Henfil, do legendário Pasquim, e, décadas mais tarde, o Prêmio Vladimir Herzog, de imprensa alternativa.

Os anos 80 trouxeram o fim da ditadura militar e o país começou a respirar novos ares. No fim dos anos 90, a Frente Popular, composta pelos partidos de esquerda, recebeu um estado alquebrado e iniciou uma nova gestão.

A cultura do milho é um dos investimentos do Acre (Foto: Diego Gurgel/Secom)
A cultura do milho é um dos investimentos do Acre (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Enfrentando dificuldades estruturais, gradativamente o Acre vem se erguendo, alavancando índices positivos em educação e saúde, buscando o desenvolvimento econômico, com a promoção da agricultura familiar, da piscicultura, suinocultura, ovinocultura e também da sustentabilidade ambiental.

Ainda há muito a ser feito, os desafios são imensos. Um deles, fundamental, é a valorização, por parte da população e de todos os setores do Estado, da identidade cultural acreana.

É lamentável, por exemplo, que o termo “seringueiro” ainda seja ouvido, nas ruas e nas escolas do Acre, como insulto e sinônimo de “subdesenvolvido”. O que prova que é grande o desconhecimento sobre o modo de viver na floresta, sobre a saga dos povos que nela habitaram e ainda habitam, portadores que são de riquíssimo cabedal, capaz de inquietar muito doutor mundo afora.

Nesta bela história que o Acre está compondo, há que se lembrar, portanto, de que autoestima é indispensável. Apenas com cidadãos conscientes – e orgulhosos – de suas conquistas, experiências e potencialidades é que poderá se estabelecer uma verdadeira e ampla autonomia.