Espetinho da Dona Júlia: parada obrigatória no fim da tarde

Júlia Jerônimo da Costa fez de tudo na vida: foi cozinheira, garçonete, manicure, ambulante, sacoleira. Em 2011, teve problemas de saúde e ficou desempregada, quando um amigo lhe falou que a Secretaria de Pequenos Negócios (SEPN) estava dando cursos profissionalizantes e cedendo equipamentos para iniciar o trabalho. “Inscrevi-me no curso de doces e salgados. Era tudo o que eu queria: começar um pequeno negócio”, explica.

Dona Júlia tem clientes cativos no fim da tarde ( Foto: Onofre Brito/ Secom)
Júlia tem clientes cativos no fim da tarde ( Foto: Onofre Brito/ Secom)

Após o curso, Júlia ganhou um carrinho padrão para venda de salgados e depois de vender em locais diferentes acabou se estabelecendo em um ponto estratégico: no Trevo das Quatro Bocas, na rotatória da Avenida Antônio da Rocha Viana, que dá  entrada para o bairro Tancredo Neves. Nascia ali o Espetinho da Dona Júlia.

Para a montagem do local, inicialmente Júlia conseguiu emprestadas três mesas e cinco cadeiras, mas depois, com o próprio faturamento, comprou cinco jogos de mesa com quatro cadeiras. Também começou com uma assadeira pequena, mas, com o aumento da clientela, logo comprou outra maior.

Júlia já está há um ano e três meses no local, e o espetinho ficou famoso: “Fiz o curso e graças a Deus estou aqui. Tudo vem dando certo para mim e minha família. Do jeito que estava levando minha vida estava tudo muito difícil”.

Todos os dias, no fim da tarde, Júlia e a ajudante Márcia montam o local do espetinho e já tem clientes cativos. A renda mensal líquida varia de R$ 1.500 a R$ 1.800, o que lhe possibilitou comprar muita coisa de que precisava para sua casa. “Todo dia estou aqui nesta luta, mas é uma luta boa mesmo. Vivo daqui”, relata.