empreendedorismo

Espaço de artesanato, jardinagem e gastronomia é atração no Parque de Exposições

O setor de artesanato, jardinagem e gastronomia é uma das atrações mais visitadas no Espaço do Empreendedor, na maior Feira do Agronegócio que acontece em Rio Branco, a Expoacre 2023.

Os empreendedores tem o apoio da Secretaria de Empreendedorismo e Turismo (Sete), e estão em um dos espaços centrais do parque com 40 estandes de artesanato, 10 de jardinagem e 24 do setor de alimentação.

Expositores levam novidades no artesanato para a Expoacre 2023. Foto: Dhárcules Pinheiro.

No artesanato, os empreendedores apresentam peças de crochê, colares de sementes, bonecas de pano, laços e tiaras para cabelo.

Também são atrações: perfumaria, guardanapos personalizados, cestos de papel, objetos em madeira, roupas, sandálias e outros produtos souvenirs que servem como lembranças da região.

Alexandra Souza trabalhou com bolos e um vídeo a inspirou a atuar na área da perfumaria. Foto: Dhárcules Pinheiro.

Atuante na área de perfumaria, Alexandra Souza apresenta produtos feitos artesanalmente com fragrâncias diferenciadas. Na Expoacre, a empreendedora revelou ter bons resultados.

“Comecei com três essências, hoje já temos dez. Trabalhamos com velas artesanais, aromatizadores de varetas, óleo de massagem, body splash que é uma lavanda corporal. Graças a Deus os produtos estão sendo bem aceitos”, revelou a empreendedora.

Expositora apresenta produtos na área de perfumaria que produz. Foto: Dhárcules Pinheiro.

A assistente social, Alcinélia Moreira, visitou os estandes e aproveitou para conhecer os produtos na área da perfumaria.

“É a segunda vez que estou visitando a feira essa semana. Eu acho muito bom essa imersão na cultura da gente. É sempre um prazer a gente vir. A feira está muito boa”, expressou a visitante.

Com a venda das cestas artesanais, Raimunda da Silva de Assis mantém um projeto social de mulheres. Foto: Dhárcules Pinheiro.

Uma variedade de cestas produzidas em papel reciclado são exibidos pela artesã e presidente da Associação de Mulheres um Passo para a Libertação, Raimunda da Silva Assis. “Cada peça vendida aqui, ajudamos a quem mais precisa”, ressaltou a artesã.

“Temos tido resultados que nem esperávamos para esse ano. Tudo está funcionando de forma diferente, em um espaço mais aberto e com organização melhor. É o que o público quer”, enfatizou o coordenador da Economia Solidária, Carlos Taborga.