cultura, turismo e economia

Em Mâncio Lima, 5º Festival Atsa Puyanawa atraiu milhares de pessoas de diversas partes do mundo

Considerado a maior festa tradicional do Povo Puyanawa, de Mâncio Lima, o V Festival Atsa Puyanawa superou as expectativas. Realizado entre 18 e 23 de julho, o evento atraiu, segundo a organização, aproximadamente oito mil pessoas de diversas localidades do mundo.

Mais de 4 mil litros de caiçuma foram consumidos. Foto: Marcos Santos/ Secom.

O festival foi marcado pela celebração de uma cultura repleta de desafios, saberes e histórias. Danças, cantos tradicionais, desfiles, brincadeiras, caminhada na floresta e banho no igarapé foram alguns dos atrativos. Aproximadamente quatro mil litros de caiçuma, bebida de origem indígena produzida a base de macaxeira, foram consumidos.

Danças e cantos tradicionais também foram atrações no festival. Foto: Marcos Santos/ Secom

O evento fomentou o turismo, atraindo pessoas de aproximadamente oito países, como Suíça, França e Estados Unidos. Além disso, gerou oportunidades e renda para o povo indígena, por meio da venda de comida, bebida, artesanato e da realização de pinturas corporais.

Brincadeiras como “arrancar macaxeira”, futebol com coco e cabo de guerra levaram diversão aos participantes. Foto: Marcos Santos/Secom

Matej Hacin é suíço, sendo a quarta vez que participa do festival. Ele veio em um grupo de cinco pessoas da Europa e falou do sentimento em participar do festival. “É brilhante chegar aqui nesse lugar tão natural, com esse povo autêntico e de coração”, disse.

O suíço Matej Racin participou de 4 das 5 edições do festival. Foto: Marcos Santos/ Secom.

Isaac Piyãko, coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Rio Juruá, falou do seu sentimento em participar do festival: “Estou emocionado em saber que um povo de uma tradição muito forte se levantou. Para mim é uma satisfação muito grande ver o Povo Puyanawa firme e forte, levando a mensagem ao nosso Brasil e ao mundo”. 

Isaac Piyãko é líder do Povo Ashaninka e coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Rio Juruá. Foto: Marcos Santos/Secom

“Conseguimos realizar a programação organizada. Estamos aqui apresentando algo tão importante, expressando a nossa cultura, transmitindo nossa alegria e saberes”, contou Joel Puyanawa, cacique dos Puyanawa.

Joel Puyanawa é cacique do Povo Puyanawa. Foto: Cleiton Lopes/Sete