Em entrevista, Tião Viana fala sobre ações para manter Acre abastecido

Governo enviou 13 máquinas e 15 homens para trabalhar diretamente em obras que visam dar trafegabilidade na rodovia no trecho de Rondônia (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
Governo enviou 13 máquinas e 15 homens para trabalhar diretamente em obras que visam dar trafegabilidade na rodovia no trecho de Rondônia (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

O governador Tião Viana participou na manhã desta quarta-feira, 26, do programa Bom Dia Rio Branco, da TV Rio Branco, afiliada ao Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), para falar sobre as ações que o governo está tomando para que o Acre mantenha o abastecimento de bens de consumo durante o período em que a BR-364, no trecho que liga o Acre a Rondônia, está sofrendo limitações de trafegabilidade.

Na conversa com o jornalista Astério Moreira, o governador ressaltou que esta é a maior enchente registrada, desde 1914, na região do Rio Madeira e frisou que em virtude da gravidade da situação a gestão estadual não tem medido esforços para que os produtos de bens de consumo e insumos essenciais cheguem ao território acreano.

Governador foi entrevistado pelo jornalista Astério Moreira (Foto: SérgioVale/Secom)
Governador foi entrevistado pelo jornalista Astério Moreira (Foto: SérgioVale/Secom)

Para isso, Tião Viana destacou que o governo enviou 13 máquinas e 15 homens para trabalhar diretamente em obras que visam dar trafegabilidade na rodovia no trecho de Rondônia, numa atividade conjunta com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). “Com apoio da Hidroelétrica de Jirau fizemos quatro portos, em menos de uma semana. Hoje estamos com boas chances de viabilizar uma subida de 40 centímetros no leito da estrada com pedra e brita para que as carretas possam passar”, afirmou.

Abastecimento de gás e combustíveis– O governador comentou que a ameaça da falta de gás de cozinha foi superada com a chegada de uma balsa que garante a estabilidade do produto até maio. “Houve um grande apoio das empresas. Elas chegaram a ter prejuízos de R$ 14 milhões com essa mudança de logística. Tudo para não prejudicar a população”.

Ao falar sobre a situação dos combustíveis, Tião Viana comentou a falta de combustíveis em postos da cidade e a busca dos consumidores para abastecer seus veículos, na terça-feira, que provocou filas em estabelecimentos. “A BR que é responsável pela distribuição do produto na região atrasou a entrega em algumas horas”, esclareceu.