Em encontro com vice-governadora, associação chama atenção sobre o autismo

Cerca de 120 famílias fazem parte da Associação Família Azul do Acre (Foto: Val Fernandes/Secom)
Cerca de 120 famílias fazem parte da Associação Família Azul do Acre (Foto: Val Fernandes/Secom)

A vice-governadora do Acre, Nazareth Araújo, recebeu nesta sexta-feira, 1, na Casa Civil, os membros da Associação Família Azul do Acre (AFAC), que reúne pais e mães de pessoas com autismo, pela passagem do Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, no próximo dia 2.

A associação reúne no estado cerca de 120 famílias, e está com uma programação extensa que inclui cinema azul, bate-papo, apresentação da Banda da Polícia Militar, caminhada e cicleata.

O objetivo é dar visibilidade à luta dos pais em busca de melhores condições de atendimento e qualidade de vida para os autistas.

O presidente da Associação Família Azul, Arthur Leite, entregou à vice-governadora um documento com as principais pautas de reivindicações, que irão ajudar ainda mais os autistas e suas famílias.

Membros da Associação Família Azul do Acre foram recebidos pela vice-governadora Nazareth Araújo (Foto: Val Fernandes/Secom)
Membros da Associação Família Azul do Acre foram recebidos pela vice-governadora Nazareth Araújo (Foto: Val Fernandes/Secom)

“Nós queremos agradecer ao governo pela aprovação da lei que nos deu uma ferramenta para brigar pelos nossos direitos e, em seguida, é a gente abrir espaço, de criar pontes e diálogo para que a gente possa implementar as políticas públicas no estado. O autismo não tem cura, mas tem evolução, e sem tratamento ele tem regressão”, disse.

Nazareth Araújo reforçou o compromisso do governo com a edição da lei estadual 2.976, apresentada pelo deputado Daniel Zen e sancionada no ano passado, que institui a Política Estadual de Proteção da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

“A partir de agora, vamos estruturar um trabalho junto com essas famílias e a comunidade, para evitar questões de preconceito. Nós queremos fomentar cada vez mais na sociedade comportamentos que estabeleçam o amor entre as pessoas. Uma sociedade de paz, só vai existir quando o amor entre os seres humanos for uma questão que todos nós abracemos, independentemente de classe social, etnia ou religião. E só assim teremos uma sociedade inclusiva”, declarou.