comprometimento

Em alusão ao Dia do Índio, Fundhacre realiza atividades na unidade hospitalar

Em alusão ao Dia do Índio, comemorado nesta terça-feira, 19, a Fundação Hospital Estadual do Acre (Fundhacre), por meio do Núcleo de Saúde Indígena da unidade, realizou uma atividade que contou com uma exposição de artesanato, apresentação de dança tradicional, além da distribuição de folders abordando sobre a importância dos direitos dos povos indígenas.

Em alusão ao Dia do Índio, Fundhacre realiza atividades na unidade hospitalar. Foto: Willian Silva

“A Fundação Hospitalar, por ser uma unidade de referência para todo o estado e representar grande parte das políticas públicas de saúde, não poderia deixar, no dia de hoje, de ouvir essas solicitações dos povos indígenas, no sentindo de um atendimento de mais qualidade. Com relação  a isso, a Fundhacre tem se organizado com suas enfermarias, além da oferta de insumos que são específicos para essa população”, destaca a chefe do Planejamento, Duciana Araújo.

“A Fundhacre tem se organizado com suas enfermarias, além da oferta de insumos que são específicos para essa população”, destaca a chefe do Planejamento, Duciana Araújo.  Foto: Willian Silva

Toda a atividade contou com a presença de representantes dos povos indígenas dos municípios de Feijó, Mâncio Lima, Boca do Acre, Tarauacá, Santa Rosa e Jordão, referente às seguintes tribos: Huni kui, Nukini, Kaxinawá, Apurinã, Naua e Manchinere, Poianawa e Shanenawá.

Para o agente de saúde Ilson Silvestre Souza, que atua na liderança dos povos Nukini, da Aldeia Kampô, localizada no município de Mâncio Lima, o momento foi de muita satisfação em ver a unidade hospitalar destacar a importância da cultura indígena.

Atividade contou com uma exposição de artesanato, apresentação de músicas e danças típicas indígena. Foto: Willian Silva

“Foi um evento muito bonito. Estou muito satisfeito em ver toda essa ação que nos mostrou que eles estão nos apoiando, e dizem sim para a causa indígena. Isso muito nos fortalece, em ver que não estamos desamparados pelo Estado. Agradeço ao nosso governador, Gladson Cameli, e todos os organizadores da Fundhacre, que nos recepcionaram com muito carinho”, afirma o agente.

O chefe do Núcleo de Saúde das Populações Prioritárias e Vulneráveis, Vanderson Gomes de Brito, da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), afirma que o núcleo vem atuando na busca de encontrar melhorias, por meio de uma gestão participativa.

Ação contou com a presença dos povos indígenas dos municípios de Feijó, Mâncio Lima, Boca do Acre, Tarauacá, Santa Rosa e Jordão. Foto: Willian Silva

“A Sesacre vem trabalhando junto com os povos indígenas, lideranças e outras instituições, para que possamos alcançar o objetivo de proporcionar saúde indígena da forma mais respeitosa possível. Inclusive, ainda hoje teremos uma ação de implementação de leitos de saúde indígena. Assim, vamos acompanhando esse processo de desenvolvimento da saúde junto a essa população”, frisou.

Txuã Huni Kui é técnico de enfermagem da Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casai) e esteve representando os povos Huni Kuin do estado. Em sua fala enfatizou a relevância da interação com os povos indígenas. “Essa é uma ação de suma importância, onde agrega o atendimento de toda a população. A Fundação é uma unidade que tem atendido os pacientes indígenas com muita assistência. Essa interação de hoje entre os povos e a equipe da unidade foi fundamental, um gesto em que nos sentimos ainda mais acolhidos”, ressaltou.

Txuã Huni Kui é técnico de enfermagem da Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casai), esteve representando o povo Huni Kuin do estado. Foto: cedida

Toda a ação foi uma iniciativa do Núcleo de Saúde Indígena da Fundhacre. A coordenadora do setor, enfermeira Antônia Rocha, comenta que a unidade vem realizando um atendimento humanizado, dentro dos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Procuramos atendê-los com essa diferenciação, buscando humanização no acolhimento. Quando se internam aqui no hospital temos esse cuidado em aproximá-los ao máximo da cultura deles. As enfermarias são caracterizadas com atadores de redes, além de outras adaptações necessárias”, destacou.