Economia da Cultura é tema de oficina

Até o final de novembro ainda serão realizadas mais duas oficinas com a proposta de elaborar diretrizes para a cultura 

dsc_0170.jpg

Oficina faz parte da elaboração do Plano Municipal de Cultura. Foto: Angela Peres/Secom

Com o tema “Economia da Cultura” a Fundação Garibaldi Brasil (FGB) iniciou nesta terça-feira, 11, a terceira etapa do ciclo de oficinas para a composição do Plano Municipal de Cultura. O encontro reúne gestores públicos, conselheiros, artistas e produtores culturais com a proposta de apresentar políticas que são desenvolvidas em outras localidades e também de fomentar a discussão de um conjunto de diretrizes e ações que irão nortear a cultura na capital acreana nos próximos dez anos.

De acordo com o presidente da FGB, Marcos Vinicius Neves, a oficina desta semana se propõe a debater os mecanismos de financiamento para cultura, além dos desafios encontrados para que os artistas possam viver da cultura. “A cultura deve ser vista como produção econômica. Vamos debater sobre como a economia na cultura tem aspectos que envolvem a circulação de idéias e de sentimentos, mas também de sobrevivência”, disse ele.

Nesta oficina serão discutidos temas de relevância como financiamento da cultura, mapeamento e fortalecimento das cadeias produtivas, formação dos artistas e fazedores culturais e a redução da informalidade enfrentada pelo trabalhador da cultura. Até o final do mês de novembro ainda serão realizadas mais duas oficinas. As oficinas são realizadas pela FGB, em parceria com o Conselho Municipal de Políticas Culturais, governo do Acre, Observatório Itaú Cultural, Ministério da Cultura, Sebrae e IPHAN.