Companhia do Batalhão de Operações Especiais promove curso de adestramento

Os alunos puderam interagir com cães que trabalham em missões de Segurança Pública. (Foto: Lessandro Alencar)
Alunos puderam interagir com cães que trabalham em missões de segurança pública. (Foto: Lessandro Alencar)

A Companhia de Cães do Batalhão de Operações Especiais (Bope), em parceria com a ONG Resgata Animais (ORA), realizou a 1ª Palestra de Adestramento Básico. O minicurso foi ministrado na tarde de sábado, 12, na sede do Batalhão, e teve como público alvo a comunidade em geral.

Os alunos conheceram o trabalho desenvolvido pela companhia com os cães de guarda e proteção, que atuam em presídios e estádios de futebol e no farejamento de drogas e explosivos.

Ao final, eles puderam conduzir os cães no estande de treinamento para testar na prática os conhecimentos adquiridos. A doação de um quilo de alimento não perecível a ser entregue ao Lar Vicentino garantiu a participação no minicurso.

Os policiais que ministraram as instruções de cuidados básicos, primeiros socorros e noções de adestramento são do próprio Batalhão e especializaram-se em outras Polícias Militares.

Eles contam em suas formações cursos como os de Cinotecnia, Faro e Localização de Entorpecentes e Explosivos, em estados como Ceará, São Paulo e Rio de Janeiro.

Entre os profissionais, estava o soldado Eduardo Moraes Costa, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, que já participou de treinamentos e missões com cães em Portugal, Argentina e Uruguai, e está no Acre pela Força Nacional de Segurança Pública.

Para o estudante do 5º período de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Acre (Ufac) Daniel Almeida, os conhecimentos de psicologia, comportamento e cuidados caninos complementam aqueles vistos nas aulas de anatomia.

“Foi uma nova experiência ver de perto o trabalho da Polícia Militar nesse sentido, além de ser a primeira vez em uma instalação militar. Como futuro profissional, entender um pouco da mente canina é muito importante”, explicou o jovem.

Previsão de outros cursos

Para o comandante da Companhia de Cães, major Flávio Roberto da Silva Inácio, pela expressiva procura que houve nesse curso, ele já estuda a realização de outros. “Esperamos fechar parcerias para que possamos oferecer um curso mais extenso, em que os participantes possam interagir, inclusive, com seus próprios cães durante as instruções”, finalizou o oficial.