Com obra de restauração concluída, Ponte Metálica ganha nova iluminação

Postes exclusivos com luminárias fusion dão toque fino e moderno à ponte histórica de Rio Branco

ponte_jk_foto_sergio_vale_11.jpg
ponte_jk_foto_sergio_vale_1.jpg
ponte_jk_foto_sergio_vale.jpg

Iluminação realça a estrutura metálica da ponte que faz parte da história do Acre (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Marco de uma época para Rio Branco, a Ponte JK, ou Ponte Metálica, está completamente restaurada. O Governo do Estado, através do Departamento de Estradas de Rodagem, Hidrovias e Infraestrutura Aeroportuária do Acre (Deracre) vinha desde 2008 realizando importantes intervenções da estrutura, reforçando-a e retomando suas características originais, que remontam á década de 1960,  com fino toque de modernidade: nada menos que 38 postes  réplicas de luminárias européias (modelo fusion urbana)  e que não existem no mercado brasileiro compõem o sistema de iluminação, que contempla ainda  304 luminárias, 76 leds e oito refletores. "A iluminação é o coroamento do trabalho de recuperação", destacou Marcos Alexandre, diretor-presidente do Deracre.

Os postes foram desenhados especialmente para a ponte JK e fabricados em São Paulo.  Com a restauração, que custou R$2.640.000,00 e integra o processo de revitalização do Centro Histórico de Rio Branco, o acesso à ponte agora está organizado. A ponte passou por uma ampla reforma. Seus pilares de concreto e a estrutura metálica foram reforçados para garantir mais segurança a passageiros e motoristas.

A ponte possui uma história interessante, recuperada com as obras de restauração atuais: as duas torres que serviriam para movimentação do tabuleiro para passagem de embarcações foram reinstaladas pelo Deracre. Projetada pelo engenheiro Machado da Costa a montagem da estrutura metálica foi iniciada em fevereiro de 1969. A obra foi inaugurada em 1971 e considerada a mais importante do Estado na época.

A construção da Ponte Metálica iniciou-se no Governo de José Augusto de Araújo, quando chegaram as estruturas metálicas, compradas da Companhia Siderúrgica Nacional durante o governo Valério Magalhães, em 1956. A ponte ficou prejudica com a queda de parte de uma vão em 1978.

As primeiras obras de recuperação começaram em agosto de 1984, levando oito meses para sua conclusão. Em abril de 1985 voltou a ser usada, já totalmente recuperada.  Com 230 metros de extensão a ponte na época era a maior do Estado e foi feita em concreto armado e estrutura metálica.

Serviços realizados

-reforço de peças da estrutura que apresentavam corrosão
-reforço e substituição de peças da estrutura dos passeios
-estrutura no guarda-corpo dos passeios para melhor segurança dos pedestres
-implantação de duas torres metálicas, buscando o resgate do projeto inicial da década de 1960
-jateamento de toda a estrutura metálica com granalha de aço e pintura epóxi, previamente à aplicação  da pintura final.


Galeria de Imagens