Colombianos viajam de bicicleta do Peru até o Acre

colombianos2
O casal, na companhia do cachorro Waiky, continuarão viagem até Santa Catarina (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Em uma viagem de bicicleta que iniciou em Lima, no Peru, os colombianos Andrea Castillo e Julian Solarte chegaram ao Acre após seis meses. Formados em Comunicação e Cinema, respectivamente, resolveram desbravar o mundo registrando pessoas e paisagens que encontraram pelo caminho.

Em Rio Branco há duas semanas, decidiram se manter aqui por pelo menos um mês e aproveitam o momento para trocar experiências e mostrar o trabalho que já executaram durante as viagens. Para a realização do evento, contaram com apoio do cineasta acreano Adalberto Queiroz.

A mostra se iniciou na última quinta-feira, 29, no Sesc Centro, onde exibiram as experiências que viveram no país de origem e no intercâmbio que fizeram em Boston, nos Estados Unidos.

Aventura em duas rodas

O casal se conheceu na universidade em que estudavam na Colômbia, e a partir daí, compartilharam um sonho: viajar pelo mundo. Para isso, ao finalizar os estudos, foram aos Estados Unidos estudar inglês e juntar dinheiro para comprar equipamentos de fotografia e vídeo.

Após dois anos e meio em Boston, entenderam que era hora de começar a realização do sonho. Então, abriram a empresa Lanza Producciones e, acompanhados do cachorro Waiky, começaram a aventura. Depois do Acre, o plano é pedalar até Santa Catarina e, depois, Argentina.

“Não podemos afirmar que é fácil. Às vezes, me pego pensando que isso tudo é uma loucura, mas percebi que quando queremos muito alguma coisa, seguimos em frente”, comenta a comunicadora.

Ainda no Acre, planejam fazer alguns trabalhos, como montar um pequeno documentário que mostra o estado e seu povo. “Queremos fazer uma memória dessa gente tão peculiar e acolhedora que conhecemos aqui, para que pessoas de todo o mundo vejam essas características. Além disso, servirá de registro para as próximas gerações”, diz Julian.

Sobre como e até quando irão continuar a viagem de bicicleta, Andrea diz que isso ainda é impreciso. “Encontramos em nosso caminho diferentes pessoas e culturas, que nos acolhem e ensinam muito, e é isso que gostamos. Qualquer um pode gerar a realidade que quer. Cada um é responsável por construir sua vida”, relata.