Encontro com a sétima arte

Uma história de vida com todos seus dramas e conquistas em que o personagem principal é uma artista da música. Para contar a trajetória da cantora Edith Piaf, outra arte se faz presente, a do cinema, através do Clube de Cinema do Acre (Cinemacre), que apresenta o filme "Piaf – Um Hino ao Amor", neste sábado, 17, às 19h, no auditório da Biblioteca da Floresta. O evento é gratuito.

O filme ganhou 2 Oscars, nas categorias de Melhor Atriz (Marion Cotillard) e Melhor Maquiagem. Foi ainda indicado na categoria de Melhor Figurino. E também conquistou o Globo de Ouro de Melhor Atriz – Comédia/Musical (Marion Cotillard).

A produção que conta a história da cantora Edith Piaf, símbolo da música popular francesa, e que se destacou nos famosos shows de cabaré em Paris, foi a escolhida de mais uma edição do Cinemacre.

O Clube de Cinema é uma iniciativa de um grupo de amigos e tem como proposta atrair simpatizantes da sétima arte, a fim de assistir e debater obras do cinema.

A iniciativa propõe explorar as inúmeras possibilidades de diversão e cultura do cinema, aglutinando pessoas que apreciem filmes de qualidade técnica e bom conteúdo social e cultural, segundo a presidente do Clube, Marilyn Lyra.

A idéia é trabalhar a arte do cinema sem grandes pretensões, mas pelo prazer de difundi-la, criar debates em torno de produções consagradas e outras que estão fora do circuito da mídia.

Sinopse – O filme conta história de Edith retratando desde o abandono da mãe, ando passou a ser criada pela avó, dona de um bordel na Normandia. Dos 3 aos 7 anos de idade a cantora ficou cega, recuperando-se milagrosamente. Mais tarde viveu com o pai alcoólatra, que a abandonou aos 15 anos para cantar nas ruas de Paris.

Em 1935 foi descoberta por um dono de boate e neste mesmo ano gravou seu primeiro disco. A vida sofrida foi coroada com o sucesso internacional. Fama, dinheiro, amizades, mas também a constante vigilância da opinião pública.

Apesar dos muitos problemas pelos quais passou a cantora francesa Edith Piaf sempre fez de tudo para que sua arte passasse por cima de tudo e ela chegasse ao auge. Não demorou muito para que a jovem descobrisse seu talento na música.  

"Piaf – Um Hino ao Amor" conta a história real da intérprete de canções como La Vie en Rose e Non, Je Ne Regrette Rien. O sobrenome artístico ela recebeu por seu tamanho, apenas 1,42 m. Piaf, em francês, é pardal.