Centro de Produção de Alevinos fortalece mercado da piscicultura

O Centro Tecnológico de Produção de Alevinos do Juruá já é autossuficiente em produção (Foto: Angela Peres/Secom)
Centro Tecnológico de Produção de Alevinos do Juruá já é autossuficiente em produção (Foto: Angela Peres/Secom)

Inaugurado há pouco mais de um ano, o Centro Tecnológico de Produção de Alevinos do Juruá já é autossuficiente na produção de peixes e comercializa sua produção para piscicultores de vários municípios acreanos. Nesta terça-feira, 24, o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), Fernando Lima, visitou as instalações do empreendimento.

O governo do Acre construiu o empreendimento no modelo público-privado, sendo administrado pela empresa Juruá Peixes, que é composta pela Agência Nacional de Negócios do Acre (Anac), que representa o Estado, e pela Cooperativa de Produtores de Peixes do Juruá (Cooperpeixes). Eu seu primeiro ano de mercado, o negócio já produziu mais de 5 milhões de alevinos.

Fernando Lima conheceu a instalações do empreendimento (Foto: Angela Peres/Secom)
Fernando Lima conheceu as instalações do empreendimento (Foto: Angela Peres/Secom)

Na região, mais de 700 piscicultores encontram-se organizados em cooperativas e associações, que adquirem as larvas de peixe por um preço mais baixo que os demais. A ração utilizada para alimentação dos alevinos é produzida no Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia S.A., em Rio Branco.

Fernando Lima destaca a magnitude do empreendimento: “A piscicultura envolve desde o pequeno ao grande produtor. O Centro de Alevinagem já está funcionando e se autossustentando. Esse é um empreendimento que está dando muito certo, pois foi construído de maneira sustentável, além de oferecer um produto saudável e com garantia de qualidade aos cidadãos do Vale do Juruá”.

Fortalecimento da cadeia produtiva

Previsto para ser inaugurado em julho, o Frigorífico de Processamento de Peixes do Juruá vai completar a cadeia produtiva da piscicultura na região. O negócio, que conta com tecnologia de ponta, terá capacidade para produzir sete toneladas de pescado por dia e deve gerar, inicialmente, 100 empregos diretos.

Além de atender o consumo local, o frigorífico vai promover a expansão do mercado de exportação acreano, pois o empreendimento já possui o Selo de Inspeção Federal (SIF), documento que autoriza a venda de peixes para outros estados e países.

“O frigorífico fecha o ciclo da cadeia produtiva de peixes no Juruá. Em breve, estaremos vendendo o alevino e garantindo a compra desse mesmo peixe, que, consequentemente, será exportado para novos mercados”, destacou o presidente da Peixes do Juruá, Marcos Venício Alencar.