simbologia

Campanha Coração Azul, que combate tráfico de pessoas, é lançada no Acre

Com o objetivo de combater o tráfico de pessoas e o seu impacto na sociedade, o governo do Acre iniciou nesta segunda-feira, 26, a etapa estadual da Campanha Coração Azul.

A ação busca sensibilizar a sociedade, ONGs, órgãos governamentais, mídia e formadores de opinião para esse problema social, que é tipificado como crime, de acordo com a lei n°13344/2016.

Campanha Coração Azul em combate ao tráfico de pessoas é lançada no Acre. Foto: José Caminha/Secom

“O tráfico pode acontecer com diversas finalidades, como exploração sexual, trabalho equivalente ao escravo, remoção de órgãos humanos e adoção ilegal, entre outros”, explica o titular interino da Secretaria de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para Mulheres (SEASDHM), André Crespo.

A campanha conta com apoio das Nações Unidas, que declarou 30 de julho o Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. No Acre, a SEASDHM é a instituição governamental que presta apoio e atendimento psicossocial às vítimas desse crime.

Técnicos da pasta também desenvolvem estudos, pesquisas e ações que buscam fortalecer o enfrentamento ao tráfico de pessoas. Neste ano, os agentes da instituição já identificaram três casos de possível exploração de seres humanos, envolvendo iranianos e egípcios. Durante esta semana, diversos trabalhos, como intervenções educativas e webinários serão desenvolvidos para tratar da temática.

“Uma das metas da campanha é demostrar para a população os mecanismos de combate ao tráfico de pessoas, além de demonstrar solidariedade com as vítimas. A simbologia do coração na cor azul representa a tristeza das vítimas do tráfico de pessoas”, destaca a chefe do Departamento de Diretos Humanos da SEASDHM, Maria da Luz França.

Em ato solene realizado na sede da SEASDHM, o presidente da comissão de direitos humanos da Polícia Rodoviária Federal no Acre (PRF/AC), Wilse Brito, destacou o papel da instituição na etapa estadual da Campanha Coração Azul.

As ações de enfrentamento ao tráfico de pessoas foram debatidas em ato solene na sede da SEASDHM, em Rio Branco. Foto: José Caminha/Secom

“Sempre estamos presentes nas campanhas que o Estado promove. Nesta parceria, o nosso trabalho é tanto de prevenção, com abordagens educativas, quanto de repressão. Como o Acre possui um território que faz fronteira com outros países, ficamos sempre em alerta”, disse Wilse Brito.

Em caso de dúvida ou denúncia sobre tráfico de pessoas, o cidadão pode ligar para o Disque 100, do Ministério dos Direitos Humanos, ou para o número 180, da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres.