Binho Marques e Tarso Genro firmam acordo para combater crimes de fronteira

Ato oficializa o Policiamento Especializado de Fronteira, que integra órgãos de segurança federais e estaduais

dsc_0047.jpg.jpg
 

dsc_0049.jpg.jpg

Governador assina convênio para policiamento na fronteira (foto: Isaac Amorim)

O governador Binho Marques e o ministro Tarso Genro assinaram nesta terça-feira, 9, acordo de cooperação para combate aos crimes típicos de fronteira,  como o contrabando, tráfico de drogas, armas e pessoas, roubo  de cargas e outros. A medida institucionalizou, em dez regiões de divisa internacional do Brasil, o Policiamento Especializado de Fronteiras (Pefron) que conta com ações de  órgãos federais como o Exército,  as polícias Federal, Rodoviária Federal e a Força Nacional de Segurança Pública. O Acre se encontra em uma região estratégica no contexto da segurança pública, em fronteira com  Peru e Bolívia.

“O que a gente observa é que a dinâmica do País mudou e o crime também mudou. Não podemos mais olhar a segurança pública isolada. O policiamento especializado é um marco no enfrentamento à criminalidade na fronteira”, avaliou a secretária de Segurança Pública do Acre, Marcia Regina, que acompanhou Binho Marques.

O Pefron é uma iniciativa do Programa Nacional de Segurança Pública (Pronasci), desenvolvida pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para combater os crimes característicos das fronteiras.  Além do Acre, as  ações do Pefron estarão presentes  nos Estados do  Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima.

A proposta do Ministério da Justiça é fortalecer as polícias dos estados de fronteira com a criação de grupos especializados que atuarão de forma preventiva e repressiva nas divisas e no combate aos crimes típicos de cada região. As ações serão desenvolvidas com o suporte dos Participaram da cerimônia autoridades ligadas ao projeto, como o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto; o secretário Nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri; o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa; o diretor da Polícia Rodoviária Federal, Helio Cardoso Derene; e governadores, parlamentares, secretários de segurança e outras autoridades estaduais.