Binho debate cooperativismo e economia solidária com italianos

Encontro de cooperativistas e governador  iniciou possível acordo para implantação de empresas sociais em vários segmentos do Estado

dsc_0007.jpg

Integrantes de organização italiana se reúnem com governador Binho Marques para debater acordos de cooperação mútua. Foto: Sérgio Vale/Secom

O governador Binho Marques se reuniu nesta quinta-feira, 28, com integrantes da organização italiana  Solidariedade em Rede (Societá Cooperativa Sociale, SIR) para debater acordos de implantação do sistema de ajuda mútua e economia solidária desenvolvido no mundo  a partir de Milão, sede da SIR.   Numa primeira fase, empresas de cooperação podem ser implantadas no âmbito das ações sócio-educativas e do sistema penitenciário do Acre e depois levadas a outros setores.

A SIR já atua no Projeto Reca, de Nova Califórnia (RO). O presidente da organização, Umberto Zandrini, explica que a SIR é um consórcio de cooperativas e se constitui numa empresa social cujos objetivos são o bem-estar do sócio e da comunidade, oferecendo condições de trabalho e vida digna para as pessoas. Em sua política, oferece serviços de educação, saúde,  reintegração  de pessoas em conflito com a lei e recuperação de dependentes químicos.

"Vemos o trabalho de vocês como um passo imprtante para superar dificuldades relacionadas ao cooperativas", disse o governador ao expressar o interesse do Acre em promover um modelo sustentável de cooperativismo.  "Para a SIR, o mais importante é o capital humano", afirmou Zandrini.

Além de Zandrini, integram a comitiva da SIR Andréa Peruzzo, consultor do Projeto Reca e Pia Negrini, da sede na Itália. O grupo percorreu alguns municípios e conheceu o sistema penitenciário e sócio-educativo do Acre.  "Vamos estabelecer um grupo de trabalho para organizar os próximos passos visando um acordo", informou o secretário de Ações Sócio-Educativas,  Cássio Silveira.

Também participaram da reunião com Marques Sergio Lopes, do Reca; Professor Xavier, assessor do governador; Laura Okamura, presidente do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) e Sergio Braña, coordenador do programa de Economia Solidária de Rio Branco.