Alunos do Poronga recebem diploma de conclusão do ensino fundamental

Mais de 19 mil estudantes já foram beneficiados pelo programa no Acre

poronga.jpg

Desde 2002 mais de 19 mil alunos já concluíram o ensino fundamental no Acre (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O dia 6 de fevereiro vai ser de alegria para 800 alunos do Projeto Poronga, que adota a metodologia do Telecurso no Acre. Eles receberão o diploma de conclusão do ensino fundamental após conseguirem driblar um dos graves problemas da educação brasileira: a defasagem idade-série.

A festa, apresentada pelo ator Caio Blat, será realizada, a partir das 17 horas, no Ginásio do Sesi, em Rio Branco. Estarão presentes Maria Corrêa, secretária de Educação do Acre, e Edileuza Moura, da Gerência de Educação e Implementação da Fundação Roberto Marinho. A cerimônia contará também com apresentação do coral formado por alunos do Poronga.

  Além dos 800 jovens de Rio Branco, Vila Campinas, Senador Guiomard e Bujari, que conquistam seus diplomas neste sábado, outros estudantes de sete municípios do Acre recebem até o dia 11 de fevereiro seus certificados de conclusão do ensino fundamental. No total, mais de 2 mil alunos poderão alçar novos voos pessoais e profissionais com a conclusão de mais essa etapa.

O programa

O Poronga foi adotado como política pública de ensino pelo governo do Acre em 2002. O nome dado ao programa remete à lamparina usada pelos seringueiros que, colocada na cabeça, deixa as mãos livres e serve para iluminar o seringal. O programa está presente em onze municípios (Brasileia, Bujari, Cruzeiro do Sul, Epitaciolândia, Feijó, Rio Branco, Sena Madureira, Senador Guiomard, Tarauacá, Vila Campinas e Xapuri), já beneficiou mais de 19 mil alunos e formou 140 professores desde a sua implantação.

A implementação do Poronga no Acre contribuiu para a democratização do conhecimento. A distorção idade-série na rede estadual de ensino caiu de 54,12%, em 2002, para atuais 30% no nível fundamental. E a expectativa é de que até o final de 2010 esse índice caia para 20%. A adoção do programa possibilitou ainda aumento do número de alunos que concluem os estudos, redução da idade com que os estudantes terminam o ensino fundamental e aumento da demanda por mais vagas no ensino médio.

O Telecurso

O Telecurso é uma iniciativa conjunta da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e da Fundação Roberto Marinho. O programa utiliza uma metodologia de ensino apropriada à aceleração escolar e reconhecida pelo MEC. Com aulas presenciais e a distância, o Telecurso utiliza um material de apoio elaborado especialmente para o programa, por alguns dos mais experientes educadores, mestres e doutores das principais universidades brasileiras.

O Telecurso tem sido utilizado para enfrentar os problemas mais frequentes no sistema educacional brasileiro, tais como defasagem idade-série, formação de professores, alternativa de oferta de ensino regular para alunos dispersos em áreas rurais e complementação curricular. O índice de aprovação do Telecurso, que chega a mais de 90%, é um dos principais motivos que levam governos estaduais a adotar o programa como política pública de ensino. Como indicador de sua importância para a educação no país, o Telecurso® foi escolhido, em 2001, como currículo de referência nacional para a avaliação de jovens e adultos por meio do Exame Nacional para Certificação de competências de Jovens e Adultos (Encceja).

A organização curricular do Telecurso é modular e sua metodologia trabalha a construção coletiva do conhecimento, correlaciona conceitos com o cotidiano, possibilita uma abordagem interdisciplinar e gera o prazer de aprender. Professores, coordenadores e a equipe interdisciplinar são responsáveis pela mediação pedagógica nas salas de aula e também pelos projetos pedagógicos complementares, como dias temáticos, aulas-passeio, mostras culturais, entre outros. Todos os educadores que integram as atividades do Telecurso participam da formação na metodologia e são acompanhados sistematicamente nas suas práticas.