Acre participa de quarto Encontro Nacional de Administradores de ZPE

Os gestores da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), Fernando Lima e Ofélia Machado, participam nesta quarta e quinta-feira, 15 e 16, em Brasília, da quarta Reunião Técnica com Administradores das Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs).

O evento é promovido pela Secretaria Executiva do Conselho Nacional das ZPEs(Foto: Cedida)
O evento é promovido pela Secretaria Executiva do Conselho Nacional das ZPEs(Foto: Cedida)

O evento, realizado todos os anos, é promovido pela Secretaria Executiva do Conselho Nacional das ZPEs (SE/CZPE), órgão integrante da estrutura do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O encontro conta com a presença de vinte Estados, empresários do setor, técnicos do governo federal e empresas de consultoria em comércio exterior.

No início da semana, a ZPE do Acre, localizada em Senador Guiomard (24 quilômetros de Rio Branco), recebeu liberação para conceder lotes às empresas que desejam se instalar na região. A Superfruits Global Acre Importação e Exportação Ltda. já está com o projeto industrial aprovado para produzir açaí em pó e foi a primeira a receber a concessão do terreno.

“Reuniões como esta têm grande importância, pois são espaços de diálogo no qual podemos debater temas como a implantação das ZPEs e transferências de domínios, além de traçar estratégias para atrair novos investidores”, destaca a secretária Adjunta da Sedens, Ofélia Machado.

O que são as ZPEs

As Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs) são áreas de livre comércio com o exterior, destinadas à instalação de empresas voltadas para a produção de bens a serem exportados, tendo como finalidade atrair investimentos, reduzir desequilíbrios regionais, promover a difusão tecnológica, criar empregos, promover o desenvolvimento econômico e social do país e aumentar a competitividade das exportações brasileiras.

As empresas que se instalam em ZPE têm acesso a tratamentos tributários, cambiais e administrativos específicos, e o principal requisito é o seu caráter eminentemente exportador.