combate à violência

Ações de divulgação da campanha Nenhuma Mulher a Menos avançam no interior do estado

Nesta quinta-feira, 9, a Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM) realizou mais uma ação de divulgação da campanha Nenhuma Mulher a Menos, nos municípios acreanos. Acrelândia foi a segunda cidade a ser alcançada pela campanha, depois de Sena Madureira.

A ação tem a finalidade de combater e enfrentar à violência doméstica e familiar e o feminicídio, atuando principalmente na divulgação dos canais de denúncia, como o Ligue 180 e o 190. A divulgação tem a intenção também de alcançar tanto as mulheres vítimas de violência quanto as pessoas próximas das vítimas, a fim de estimular a denúncia.

Campanha Nenhuma Mulher a Menos é promovida em Acrelândia Foto: Sérgio Ronney/Secom.

O promotor de Justiça de Acrelândia, Júlio César de Medeiros, enfatizou a importância da divulgação dos canais de denúncia, e principalmente da garantia de que a mulher não está sozinha.”É necessário sempre estar divulgando os canais de denúncia e envolver os órgãos estaduais e municipais para atuarem nessa divulgação. Os canais facilitam para as mulheres realizarem as denúncias”, disse.

Promotor de Justiça de Acrelândia, Júlio César de Medeiros Foto: Sérgio Ronney/Secom.

A atividade foi desenvolvida pela Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres, por meio da Diretoria de Políticas para as Mulheres, com apoio da Patrulha Maria da Penha, Gabinete da Primeira-Dama e Secretaria Municipal de Assistência Social de Acrelândia. Com abordagem técnica e entrega de cartazes e panfletos em locais de grande circulação de pessoas, como supermercados e farmácias.

Com abordagem técnica e entrega de cartazes e panfletos em locais de grande circulação de pessoas, como supermercados e farmácias Foto: Sérgio Ronney/Secom

Segundo dados da Central de Atendimento à Mulher, o Acre é o estado com menos registros de denúncias de violência contra a mulher pelo Ligue 180, além de ter a maior taxa de feminicídio do país. A diretoria de Políticas para as Mulheres da SEASDHM disponibilizou atendimento psicológico online, através dos canais de atendimento,  (68) 99247-7989 e e-mail: diretoria.mulheres.ac@gmail.com.

Patrulha Maria da Penha Foto: Sérgio Ronney