Unidade móvel de atendimento às mulheres chega à Capixaba

Programação teve inicio com ciclo de palestras sobre relações sociais de gênero (Foto: Luciano Pontes/Secom)
Programação teve inicio com ciclo de palestras sobre relações sociais de gênero (Foto: Luciano Pontes/Secom)

Como parte do Programa Mulher Viver Sem Violência, a Unidade Móvel de Atendimento às Mulheres em Situação de Vulnerabilidade do Campo e das Florestas chega ao município de Capixaba.  Na sexta-feira, 6, a equipe da Secretaria de Estado de Políticas para Mulheres, responsável pela gestão do programa no estado, realizou uma rodada de palestras com temas como: a Lei Maria da Penha e Planejamento Familiar.

Neste sábado, 7,  a unidade móvel estará na Feira das Mulheres Empreendedoras. Durante todo o dia serão realizados diversos atendimentos às mulheres, entre eles psicológico e assistencial.

O Plano Estadual de Política para Mulheres prevê o atendimento da unidade móvel em todos os municípios acreanos. Em 2014, os dois ônibus percorreram as regiões do Alto Acre, Juruá e Tarauacá-Envira, atendendo mais de 350 mulheres, entre elas 40 casos de violência doméstica que são acompanhados pela secretaria.

Início das atividades em 2015

Ônibus já percorreram as regiões do Alto Acre, Juruá e Tarauacá-Envira (Foto: Luciano Pontes/Secom)
Ônibus já percorreram as regiões do Alto Acre, Juruá e Tarauacá-Envira (Foto: Luciano Pontes/Secom)

A coordenadora de Direitos Humanos e Enfrentamento da Violência Contra Mulheres, Joelda Pais, explica que os lugares de atendimento são escolhidos com os representantes do Fórum de Gestão Corporativa e a da comunidade rural. “Capixaba é o primeiro município a receber atendimento em 2015, por ter mais de 75% da sua população concentrada na área rural, uma região que nós precisamos alcançar cada dia mais”, disse.

A dona de casa Madalena Filgueiras, participou das palestras e destacou a importância de levar esse tipo de atendimento ao município. “A gente sempre tem dúvidas e participar desses encontros esclarece muita coisa, nos dá base até para a gente explicar para os nossos companheiros, certas coisas que eles não entendem e acabam não nos ajudando como deveriam”, declarou.